bancos

Bancos não consideram preocupante aumento do crédito ao consumo

Fernando Faria de Oliveira. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens
Fernando Faria de Oliveira. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens

A Associação Portuguesa de Bancos considera que, apesar do aumento, o crédito ao consumo ainda está em valores anteriores à crise.

A Associação Portuguesa de Bancos (APB) disse esta quarta-feira no parlamento que não é o crédito bancário que está a fomentar o dinamismo do mercado imobiliário e considerou que não é preocupante o crescimento do crédito ao consumo.

Numa audição na Comissão de Orçamento e Finanças, a diretora-geral da APB, Catarina Cardoso, considerou que há fatores que mitigam a preocupação com o aumento do crédito ao consumo, nomeadamente o que facto de as novas operações serem feitas sobretudo por novos clientes, ou seja, “não significa novo endividamento de famílias já endividadas”, e a importância do crédito automóvel dentro do crédito ao consumo, o que significa que o financiamento está a ser usado para bens duradouros.

A responsável considerou ainda que, apesar do aumento, o crédito ao consumo ainda está em valores anteriores à crise: “Não é isso que nos move porque o que se passava era preocupante, mas é um facto a relevar”, afirmou.

Em novembro de 2018, últimos dados divulgados pelo Banco de Portugal, o total de crédito concedido pelos bancos para bens de consumo era de 26.166 milhões de euros, mais 27 milhões face a outubro e um acréscimo de 1.207 milhões de euros em relação ao mesmo mês de 2017.

O crescimento do ‘stock’ de crédito ao consumo contrasta com o ‘stock’ do crédito à habitação, que tem vindo a diminuir apesar do aumento das novas operações, uma vez que há créditos à habitação que vencem e outros que são pagos antecipadamente pelos clientes.

Sobre a dinâmica do mercado de compra e venda de casas, a diretora-geral da APB considerou aos deputados que “não é o recurso ao crédito que está a fomentar a dinâmica observada nas vendas de alojamento”, uma vez que em 2010 65% do dinheiro usado para comprar casa vinha do crédito bancário, enquanto os últimos dados apontam para apenas 40%.

O dinamismo, afirmou, é justificado pelo turismo e pelas compras de investidores não residentes.

Sobre o aumento dos preços no mercado habitacional, considerou que ainda se está longe das dinâmicas apresentadas em outros países e que aí “não há um fator de preocupação”.

Já o presidente da APB, Faria de Oliveira, destacou na audição na Comissão de Orçamento e Finanças a falta de poupança das famílias portuguesas, com a taxa de poupança a “atingir valores historicamente baixos”, considerando que o Estado tem “importantes opções a fazer tanto no que respeita à mobilização dos cidadãos e empresas para a poupança e à sua responsabilização em relação ao endividamento”.

O ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos mostrou-se ainda preocupado com a pouca existência de capital em Portugal o que tem impacto nos investimentos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, durante a sua audição na Comissão de Saúde, na Assembleia da República, em Lisboa, 27 de fevereiro de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

ADSE já enviou novas tabelas de preços aos privados para negociação

Mario Draghi, Presidente do Banco Central Europeu. REUTERS/Kai Pfaffenbach

BCE discutiu pacote de medidas para estimular economia na reunião de julho

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Outros conteúdos GMG
Bancos não consideram preocupante aumento do crédito ao consumo