Bancos recebem três vezes mais pela habitação do que pagam pelos depósitos

ng4544891

A descida das taxas de juro interbancárias - Euribor -, nos últimos anos, tem representado um alívio para o orçamento das famílias e também para as empresas. No entanto, para os bancos, a queda dos juros tem sido um fator de pressão sobretudo para a margem financeira (diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e pagos nos depósitos). Atualmente, esta diferença supera os 1,5 pontos percentuais, segundo os dados do Banco de Portugal.

No final de junho, a taxa de juro oferecida pelos bancos nos depósitos a particulares, até um ano, era de 0,71%. Um valor abaixo dos 0,73% do mês anterior e dos 1,54% pagos pelos bancos em junho de 2014, revelam os dados estatísticos do Banco de Portugal.

Já no crédito à habitação – aquele que tem maior peso no total dos empréstimos concedidos às famílias – a taxa de juro média cobrada nas novas operações, em junho, era de 2,27%. Uma descida considerável quando comparado com os 3,22% de junho do ano passado.

A diferença entre os juros que os bancos cobram na habitação e que oferecem nos depósitos tem vindo a esbater-se e, em junho, era 1,56 pontos percentuais, quando no período homólogo do ano passado era de 1,68 pontos percentuais.

Em termos de montante, os portugueses aumentaram o valor que colocaram em depósitos. No final de junho, as famílias tinham 135,7 mil milhões de euros em depósitos, o que representa um aumento mensal de 1,4% e, em termos homólogos, de 2,8%. Só em junho, os portugueses colocaram em depósitos 5,9 mil milhões de euros, mais 14% do que em junho de 2014.

Os bancos portugueses voltaram a reduzir, pelo terceiro mês consecutivo, a exposição ao financiamento do Banco Central Europeu. De acordo com os dados do Banco de Portugal, o montante levantado pelos bancos portugueses junto do BCE caiu para 25,7 mil milhões de euros em julho, dos 27,7 mil milhões alcançados no mês anterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
: PÁGINAS : LIXO 08-09 NEGÓCIOS Eólicas + Opinião

Eólica vs. solar. Que energia dominará a Europa em 2030?

Turistas no Miradouro São Pedro de Alcântara, em Lisboa.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Ourém recua, Guimarães pondera. São já 8 os municípios que cobram taxa turística

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve confiante numa estabilização do mercado britânico

Outros conteúdos GMG
Bancos recebem três vezes mais pela habitação do que pagam pelos depósitos