crédito

Bancos vendem bicicletas, loiça e terços para dar crédito

O serviço de mesa da VAA pode ser comprado no BPI por 1.475 euros pagando em prestações.
O serviço de mesa da VAA pode ser comprado no BPI por 1.475 euros pagando em prestações.

O BPI vende trens de cozinha a 1150 euros e o BCP tem à venda um terço em ouro pelo valor de 2.950 euros, noticiou o Correio da Manhã.

O Millennium bcp, o Novo Banco e o BPI estão entre os bancos que promovem a venda de produtos não financeiros para conceder crédito.

Segundo o Correio da Manhã, dos cinco maiores bancos em Portugal, apenas a Caixa Geral de Depósitos e o Santander não têm nas suas páginas na Internet uma área dedicada à venda de bens não financeiros.

O jornal relata, na sua edição deste domingo, que o BPI tem a maior montra de produtos. Vende desde trens de cozinha, ao preço de 1.150 euros, a aspiradores. Um dos produtos em destaque no seu site era o relógio Tony Carreira, que deixou de estar disponível. Tratava-se de uma edição da Raymond Weil que assinalava os 30 anos de carreira do cantor e custava 1.590 euros. Também vende vinhos, incluindo um conjunto de vinhos da Herdade do Mouchão, por 395 euros.

No Novo Banco, é possível encontrar à venda modelos topo de gama de telemóveis, televisores e drones, como o Anafi 4K extended, por cerca de 800 euros.

O BCP vende jóias, moedas e barras de ouro. Entre a sua oferta destaca-se um terço com assinatura de Siza Vieira.

No Montepio também é possível comprar produtos não financeiros, como uma Xiaomi MI Action Câmara 4K por 139 euros.

No Banco CTT, é possível comprar joias em filigrana e medalhas de ouro e diamantes.

Tudo com financiamento assegurado pelos bancos. A Taxa Anual de Encargos Efetiva Global (TAEG) praticada pelos bancos na venda destes produtos vai dos 2,2% aos 12,1% e inclui os juros bem como os custos de abertura do processo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ilustração: Vítor Higgs

Azeites e vinhos portugueses escapam a castigo de Trump

Ilustração: Vítor Higgs

Azeites e vinhos portugueses escapam a castigo de Trump

(REUTERS/Kevin Coombs)

Acordo para o brexit com pouco impacto para Portugal

Outros conteúdos GMG
Bancos vendem bicicletas, loiça e terços para dar crédito