Lesados do Banif

Banif: lesados esperam acordo para solução que compense perdas

(Leonardo Negrão / Global Imagens)
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Os lesados do Banif querem ser compensados como foram os lesados do BES e vão avançar com ações contra o Estado como medida de segurança.

Centenas de lesados do Banif esperam que, até ao final do ano, possa haver um acordo com o governo para criar uma solução que os recompense das perdas que tiveram, mas em paralelo vão prosseguir com ações individuais contra o Estado português.

O objetivo é garantir que, se algo correr mal, têm os seus direitos assegurados, já que consideram que o Estado, bem como o Banco de Portugal e a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, têm responsabilidades pelos prejuízos que sofreram com a resolução do banco.

“A nossa expectativa é que a solução seja, no mínimo, igual à dos lesados do BES”, disse Jacinto Silva, presidente da Alboa-Associação de Lesados do Banif, ao Dinheiro Vivo.

Representantes de cerca de 20 escritórios de advogados com clientes lesados do Banif reuniram na manhã desta quarta-feira num hotel em Lisboa para definir estratégias comuns e enquadrar ações conjuntas.

Os advogados estão a “estudar os cenários que podem advir da reclamação de créditos e da análise feita pela comissão liquidatária” do Banif, disse Jacinto Silva.

Lembrou que o prazo para reclamação de créditos já encerrou e que está para breve o apuramento dos valores das perdas e do número de reclamantes.

“Consideramos que são elementos fundamentais para as reuniões que pretendemos ter com o governo”, afirmou. “É fundamental nas próximas reuniões com representantes do governo ter esses dados para podermos começar a desenhar uma solução. O princípio de equidade tem de ser aplicado”, sublinhou.

No final de agosto, um conjunto de cerca de 500 lesados avançou com ações em tribunal contra o Estado português devido à resolução do Banif.

Atualizada às 17H55 para acrescentar que as ações em tribunal contra o Estado português foram iniciadas no final de agosto deste ano.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Banif: lesados esperam acordo para solução que compense perdas