Banif

Banif perde licença bancária e entra em liquidação

(Leonardo Negrão / Global Imagens)
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Alguns credores do Banif, como é o caso do Fundo de Resolução e do antigo BES, não esperam receber dinheiro de volta.

O Banif entrou oficialmente em liquidação, depois do Banco Central Europeu (BCE) ter revogado a licença de atividade bancária. Segundo o Jornal de Negócios desta segunda-feira, as contas do Banif relativas a 2015 já faziam prever o futuro. O processo segue para o tribunal e depois para liquidação judicial, mas o Banif vai reclamar a utilização de um crédito tributário de 35 milhões de euros.

Em 2015, o Banif tinha um património avaliado em 51 milhões de euros (‘ativos’) face a um saldo de 815 milhões de euros em obrigações (‘passivos’). Em 2017, o Banco de Portugal avançou com o pedido de liquidação.

A liquidação do Banif vai avançar e alguns acionistas vão ficar com os seus títulos no ‘banco mau’: o Estado, que detém mais de 60,5% do capital do Banif, a Herança Indivisa de Horácio Roque, 6,3%, e a Auto-Industrial que detém 1,8%.

O Banif tinha também vários credores, por isso a situação está a ser analisada pela auditora Baker Tilly que vai verificar se têm algum montante a receber neste processo. Entre eles está o Fundo de Resolução, que já afirmou que não espera receber os 489 milhões de euros aplicados na resolução do Banif. O antigo BES também tinha cedido ao banco 53 milhões de euros.

Apesar da liquidação, o Banif vai fazer cumprir os seus direitos e vai reclamar 35 milhões em crédito tributário ao Estado. Este valor poderá ser utilizado, por exemplo, para compensar dívidas relativas a impostos sobre rendimento e património.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Paulo Azevedo, Chairman e Co-CEO da Sonae, e Ângelo Paupério, Co-CEO da Sonae.

(Leonel de Castro / Global Imagens)

Sonae SPGS com lucros de 200 milhões até setembro

Veículos estacionados no porto de Setúbal, durante a greve dos estivadores precários, em Setúbal, 14 de novembro de 2018. Em causa está um diferendo laboral desencadeado por um grupo de estivadores precários e a empresa de trabalho portuário Operestiva, que afeta várias empresas, entre as quais a Autoeuropa. ANDRÉ AREIAS/LUSA

Setúbal: Operestiva disposta a negociar se estivadores voltarem ao trabalho

Primeira-ministra Theresa May, 14 de novembro de 2018. EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

Brexit: May consegue apoio do Governo e aprova rascunho do acordo final

Outros conteúdos GMG
Banif perde licença bancária e entra em liquidação