banco central europeu

BCE realiza reunião da política monetária e anuncia projeções económicas

Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. REUTERS/Francois Lenoir
Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. REUTERS/Francois Lenoir

Ala tradicionalmente a favor de forte apoio da economia defende a descida das taxas de juro e o regresso do extenso programa de compras de dívida. Mas não é consensual

O Conselho de Governadores do Banco Central Europeu realiza hoje a reunião da política monetária, na qual deverá ser forçado a agir já que o contexto económico continua febril, segundo analistas consultados pela AFP.

O BCE deverá também anunciar hoje as projeções macroeconómicas para a zona euro.

O presidente do BCE, Mario Draghi, participa pela penúltima vez na reunião de política monetária – a última será em 24 de outubro – antes de passar o cargo no final do mês à francesa Christine Lagarde.

Os analistas referem que vai ser preciso satisfazer as altas expectativas dos mercados – alimentadas pelo próprio BCE -, através da adoção da resposta adequada à conjuntura da zona euro, de abrandamento, mas ainda não imediatamente ameaçada por uma recessão.

Se o BCE “dececionasse em setembro, as medidas teriam de ser adotadas mais tarde e com hipóteses reduzidas de sucesso”, resume Frédéric Ducrozet, estratega da Pictet Wealth Management.

As divergências surgiram neste verão no Conselho de Governadores da instituição, dividida pela oportunidade de sair agora do grande ‘jogo monetário’, correndo o risco de queimar prematuramente todos os cartuchos do instituto.

As “pombas”, uma ala tradicionalmente a favor de forte apoio da economia e liderado por Draghi, defendem a descida de uma das taxas de juro e o regresso do extenso programa de compras de ativos realizado entre 2015 e final de 2018.

Mas os “falcões” no Conselho de Governadores do BCE, como a alemã Sabine Lautenschläger ou o holandês Klaas Knot, estão mais reticentes à ideia de adotar de novo o programa de compra de dívida.

Seja qual for a decisão, o BCE entende que a política monetária deve ser adotada “em função dos dados e não dos mercados”, advertiu no final de agosto o vice-presidente da instituição, o espanhol Luis de Guindos, num esforço para acalmar as expectativas dos mercados.

O BCE poderá apoiar-se hoje em novas previsões económicas, já que as de junho apontavam para uma inflação de 1,3% em 2019 e 1,6% em 2021, ainda longe do objetivo do BCE “próximo de 2%” a médio prazo.

Após a reunião do BCE de julho, a economia da zona euro não mostrou sinais de melhoria e parece mesmo aproximar-se da economia alemã, que viu o seu Produto Interno Bruto (PBI) recuar 0,1% no segundo trimestre.

Certos fatores de incerteza diminuíram, como o risco político em Itália, mas o caos ainda reina em torno do ‘Brexit’ e o conflito comercial entre Washington e Pequim continua a envenenar o clima comercial.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Assembleia da República. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Gestores elegem medidas para o novo governo

TVI

Cofina avança com OPA sobre 100% da Media Capital por 180 milhões

Entrevista DV/TSF com secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho.
Fotografia: PAULO SPRANGER/Global Imagens)

Ana M. Godinho: “É preciso um compromisso de valorização e subida de salários”

Outros conteúdos GMG
BCE realiza reunião da política monetária e anuncia projeções económicas