banca

BCP reúne obrigacionistas para analisar fusão com imobiliárias

Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA
Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA

O BCP realiza uma assembleia-geral para os obrigacionistas se pronunciarem sobre uma possível fusão por incorporação de duas imobiliárias no banco.

O BCP realiza hoje uma assembleia-geral para os obrigacionistas se pronunciarem “relativamente aos possíveis prejuízos” de uma fusão por incorporação de duas imobiliárias no banco.

Na convocatória enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) lê-se que os obrigacionistas foram convocados para se pronunciarem “relativamente aos possíveis prejuízos” que possam advir da “fusão por incorporação, mediante transferência global do património, da Sadamora — Investimentos Imobiliários, S.A. e Enerparcela — Empreendimentos Imobiliários, S.A., no Banco Comercial Português, S.A”.

O banco dá ainda a conhecer aos detentores de obrigações que “o BCP detém integralmente o capital das sociedades a incorporar, informando que a fusão será concretizada sem prévia deliberação das assembleias-gerais das sociedades envolvidas, salvo se detentores de 5% da emissão o requererem”.

Em outro documento, em outubro, a instituição explicou que o contrato de compra e venda, segundo o qual o BCP “adquiriu a totalidade das ações representativas do capital social da Sadamora e da Enerparcela”, foi outorgado em 08 de outubro deste ano.

As sociedades deixaram, assim, de ser controladas indiretamente pelo banco e passaram a sê-lo diretamente e a 100%.

O BCP passou a controlar a Enerparcela em 2013, depois da compra do fundo Multiusos Oriente. No mesmo ano, o banco adquiriu “em reembolso de crédito próprio” a totalidade das “unidades de participação” do fundo Grand Urban, que detém a Sadamora.

Com a fusão por incorporação, o BCP espera obter “ganhos de eficiência, através da racionalização de processos de governo societário, e das estruturas operativas, de ‘backoffice’ e outras funções de suporte”, segundo um comunicado do banco.

O Jornal de Negócios avançou que o BCP já injetou 40 milhões nestas duas sociedades.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, intervém durante a  conferência "Para onde vai a Europa?", na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, 22 de março de 2019. MÁRIO CRUZ/LUSA

Próximo governo vai carregar mais 8 mil milhões em dívida face ao previsto

Motoristas de matérias perigosas em greve concentrados na Companhia Logística de Combustiveis - CLC.
Fotografia: Paulo Spranger / Global Imagens

Combustíveis. Sindicato conseguiu mais 200 sócios com greve

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
BCP reúne obrigacionistas para analisar fusão com imobiliárias