banca

BCP reúne obrigacionistas para analisar fusão com imobiliárias

Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA
Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA

O BCP realiza uma assembleia-geral para os obrigacionistas se pronunciarem sobre uma possível fusão por incorporação de duas imobiliárias no banco.

O BCP realiza hoje uma assembleia-geral para os obrigacionistas se pronunciarem “relativamente aos possíveis prejuízos” de uma fusão por incorporação de duas imobiliárias no banco.

Na convocatória enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) lê-se que os obrigacionistas foram convocados para se pronunciarem “relativamente aos possíveis prejuízos” que possam advir da “fusão por incorporação, mediante transferência global do património, da Sadamora — Investimentos Imobiliários, S.A. e Enerparcela — Empreendimentos Imobiliários, S.A., no Banco Comercial Português, S.A”.

O banco dá ainda a conhecer aos detentores de obrigações que “o BCP detém integralmente o capital das sociedades a incorporar, informando que a fusão será concretizada sem prévia deliberação das assembleias-gerais das sociedades envolvidas, salvo se detentores de 5% da emissão o requererem”.

Em outro documento, em outubro, a instituição explicou que o contrato de compra e venda, segundo o qual o BCP “adquiriu a totalidade das ações representativas do capital social da Sadamora e da Enerparcela”, foi outorgado em 08 de outubro deste ano.

As sociedades deixaram, assim, de ser controladas indiretamente pelo banco e passaram a sê-lo diretamente e a 100%.

O BCP passou a controlar a Enerparcela em 2013, depois da compra do fundo Multiusos Oriente. No mesmo ano, o banco adquiriu “em reembolso de crédito próprio” a totalidade das “unidades de participação” do fundo Grand Urban, que detém a Sadamora.

Com a fusão por incorporação, o BCP espera obter “ganhos de eficiência, através da racionalização de processos de governo societário, e das estruturas operativas, de ‘backoffice’ e outras funções de suporte”, segundo um comunicado do banco.

O Jornal de Negócios avançou que o BCP já injetou 40 milhões nestas duas sociedades.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
16. Empregados de mesa

Oferta de emprego em alta no verão segura aumento de salários

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (Fotografia: José Coelho/ Lusa)

Marcelo aprova compra do SIRESP. Governo fica com “acrescidas responsabilidades”

draghi bce bancos juros taxas

BCE volta a Sintra para o último Fórum com Draghi na liderança

Outros conteúdos GMG
BCP reúne obrigacionistas para analisar fusão com imobiliárias