Cartel da Banca

BCP vai impugnar multa da Concorrência

Fotografia: António Pedro Santos / Lusa
Fotografia: António Pedro Santos / Lusa

AdC aplicou coimas de 225 milhões por prática concertada de troca de informação comercial sensível. BCP teria de pagar 60 milhões.

“Perante a decisão que lhe foi notificada e tendo presente o conhecimento que tem deste processo, que acompanhou de forma próxima, a comissão executiva do BCP decidiu que vai avançar com a respetiva impugnação judicial junto dos tribunais competentes.”

É assim que o Millennium conclui um comunicado enviado esta noite à CMVM, na sequência da notificação da Autoridade da Concorrência (AdC), pela prática concertada de informação sensível no crédito.

Sublinhando que as acusações não estão adequadamente fundamentadas, o banco liderado por Miguel Maya decidiu impugnar judicialmente a coima de 60 milhões de euros fixada pela AdC àquela instituição, considerada “injustificada e desequilibrada”. No total, as coimas da Concorrência à banca ascendem a 225 milhões de euros, distribuídos pelos vários bancos.

“Ao longo do referido processo, instaurado pela AdC em 2012, o BCP teve a oportunidade de prestar todos os esclarecimentos solicitados e de expor os motivos pelos quais considera que as acusações que lhe foram dirigidas não se encontravam adequadamente sustentadas e fundamentadas. Da decisão da AdC não resulta que as práticas de partilha de informação imputadas ao BCP tenham tido qualquer efeito negativo para os consumidores”, sublinha o banco, no comunicado à CMVM.

O BCP acrescenta ainda que no período abrangido pela decisão está incluído o que corresponde à pré-crise financeira de 2008, no qual se verificaram práticas comerciais “muito competitivas entre instituições”, tendo em vista reforçar as quotas de mercado. “Após 2008 o preçário do BCP refletiu o aumento generalizado dos spreads em consequência da crise e as condições de financiamento do país”, acrescenta-se, explicando que as informações trocadas pelos departamentos de marketing “correspondiam aos spreads standard que são divulgados através do preçário geral e não aos preços que acabavam por ser praticados nas negociações com os clientes”.

O banco lembra ainda que cumpre “com rigor as regras de concorrência, com as quais se sente identificado e comprometido”.

Leia aqui tudo sobre a acusação da AdC a 14 bancos

A Autoridade da Concorrência condenou hoje 14 bancos ao pagamento de coimas no valor global de 225 milhões de euros por prática concertada de informação sensível no crédito à habitação entre 2002 e 2013, incluindo, além do BCP, “o BBVA, o BIC (por factos praticados pelo então BPN), o BPI, o BES, o Banif, o Barclays, a CGD, a Caixa de Crédito Agrícola, o Montepio, o Santander (por factos por si praticados e por factos praticados pelo Banco Popular), o Deutsche Bank e a UCI”.

A AdC indicou que “os bancos participantes na prática concertada trocaram informação sensível referente à oferta de produtos de crédito na banca de retalho, designadamente crédito habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas”. com Lusa

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
BCP vai impugnar multa da Concorrência