bancos

BCP vai repor pelo menos 25% dos cortes salariais feitos de 2014 a 2017

Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA
Miguel Maya, CEO do BCP Fotografia: António Pedro Santos /LUSA

Trabalhadores a ganhar mais de mil euros tiveram cortes de até 11% por um período de três anos.

O BCP vai repor neste ano pelo menos 25% do valor dos salários cortados entre 2014 e 2017, divulgaram esta terça-feira o Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas (SBSI) e o Sindicato dos Bancários do Centro (SBC).

“Debatendo a compensação do ajuste salarial, resultou que o Banco reporá um mínimo de 25% do valor já em 2019, e em numerário”, pode ler-se no comunicado conjunto dos sindicatos.

O comunicado adianta que as duas direções sindicais e a administração do BCP estiveram reunidas na sexta-feira, “no âmbito do processo negocial recentemente iniciado”.

Em 21 de fevereiro, durante a apresentação dos resultados de 2018 do banco, o presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse que seria feita este ano uma proposta para começar a devolver aos trabalhadores o dinheiro retido em cortes salariais, mas recusou adiantar montantes.

Questionado então sobre a promessa de devolver aos funcionários o dinheiro retido em cortes salariais, Miguel Maya disse que “a comissão executiva assumiu o compromisso com trabalhadores e vai cumprir”.

Entre meados de 2014 e meados de 2017, os trabalhadores do BCP com remunerações acima de 1 000 euros brutos mensais tiveram os salários cortados (entre 3% e 11%), no âmbito do plano de reestruturação acordado com Bruxelas que se seguiu à ajuda estatal (de 3 000 milhões de euros) e que implicou também o fecho de balcões e a saída de milhares de trabalhadores em programas de reformas antecipadas e rescisões por mútuo acordo.

O fim dos cortes salariais acabou em julho de 2017, tendo então o banco dito que permitiram salvar 400 postos de trabalho.

Então, a administração executiva do banco prometeu que, quando a instituição financeira regressasse a lucros atribuíveis aos acionistas, iria propor em assembleia-geral a reposição do valor cortado.

Em julho do ano passado, Miguel Maya estimou o valor cortado em salários entre 30 e 40 milhões de euros.

Também em cima da mesa na reunião com os sindicatos, na sexta-feira, esteve a questão da revisão das tabelas salariais, em que “o SBC e o SBSI apresentaram ao BCP uma proposta de aumentos salariais, à qual o banco fez uma contraproposta e que irá ser devidamente avaliada e discutida em próxima reunião”, de acordo com o comunicado conjunto das estruturas sindicais.

“Tratando-se de um tema que perdura já há nove anos, o SBC e o SBSI reafirmam a sua vontade e determinação para que os trabalhadores no ativo e reformados do BCP vejam a sua tabela salarial atualizada”, reivindicam os sindicatos.

Em 21 de fevereiro, Miguel Maya tinha dito que já tinha convocado os sindicatos para começar a “trabalhar no acordo de empresa” com vista a fazer alterações à tabela salarial.

Sem avançar montantes de poupança previstos, o presidente executivo afirmou então que “os interesses da comissão executiva do BCP estão muito alinhados com os dos trabalhadores, valorizar o banco e criar prosperidade”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
BCP vai repor pelo menos 25% dos cortes salariais feitos de 2014 a 2017