CGD

BdP toma “em toda a conta conclusões do relatório final” sobre CGD

Elisa Ferreira
Elisa Ferreira

O Banco de Portugal (BdP) está, para efeitos de supervisão, a “tomar em toda a conta as conclusões do relatório final” da consultora EY, que numa auditoria independente identificou perdas significativas na Caixa Geral de Depósito até 2015.

À margem das Jornadas de Reestruturação, Liquidação e Insolvência: “Venda de carteiras de Non-Performing Loans, impacto na Economia”, a decorrer em Lisboa, a vice-governadora do Banco de Portugal, Elisa Ferreira, começou por notar tratar-se de um “assunto muito crítico” e o que pode adiantar é que a “versão final do relatório foi recebida no BdP há bastante tempo”.

“Foi lida, foi interpretada e está a ser utilizada nas dimensões que interessa ao BdP, que são as de supervisão. Posso dizer que o BdP, nas suas funções de supervisão, está a tomar em toda conta as conclusões do relatório final que lhe foi entregue”, disse.

Revelada na CMTV por Joana Amaral Dias e depois noticiada em vários órgãos de comunicação, a auditoria da EY (antiga Ernst&Young) à CGD refere que os administradores da instituição receberam “remuneração variável” e “voto de confiança”, mesmo com resultados negativos.

O documento é crítico, sobretudo, do período 2000-2008, em que “não foi obtida evidência dos princípios orientadores para a remuneração variável aplicada, concluindo-se que as decisões foram tomadas de forma avulsa”: “Mesmo perante resultados negativos foi decidido atribuir remuneração variável e emitido voto de confiança”, nota.

A auditoria realçou ainda que “em nenhum momento foi identificada a atribuição de remunerações variáveis em forma de instrumento financeiro” que incentivassem a um equilíbrio entre capital e riscos, nem a implementação de cláusulas de ‘clawback’, que permitem vincular os gestores com as decisões passadas.

A EY acredita que estas medidas poderiam ter contribuído para um “processo de decisão de crédito mais sustentado e atento ao risco, tendo por referência as operações analisadas na presente auditoria”, permitindo ainda apurar responsabilidades “nas perdas significativas verificadas entre 2011 e 2015”, lê-se no documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Base Aérea n.º 6, no Montijo, que será adaptada para a aviação civil caso aí avance a construção do novo aeroporto de Lisboa. Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens

Montijo: Novo aeroporto já tem luz verde definitiva

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  (MIGUEL A. LOPES/LUSA)

Ministro defende atuação do Governo: Portugal “fará o que tem feito”

Cláudia e Paulo Azevedo
(José Carmo/Global Imagens)

Sonae “está a acompanhar com atenção e preocupação”

BdP toma “em toda a conta conclusões do relatório final” sobre CGD