BES apresenta prejuízos de 3,6 mil milhões de euros no primeiro semestre

BES regista prejuízo histórico
BES regista prejuízo histórico

O Banco Espírito Santo (BES) apresentou um prejuízo de 3,6 mil milhões de euros, no primeiro semestre, resultantes do reforço de imparidades e contingências no valor de 4,3 mil milhões de euros, revelou a instituição financeira em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em comunicado enviado à CMVM, o BES explica que os resultados foram “significativamente influenciados pelos seguintes fatores de natureza
excecional: (i) constituição de provisões para fazer face à exposição perante as empresas do
Grupo Espírito Santo; (ii) anulação de juros incobráveis sobre crédito concedido no BES Angola (BESA)
e constituição de provisões para contingências fiscais nesta filial; (iii) agravamento do
risco da carteira de crédito; (iv) reconhecimento da imparidade na participação na Portugal Telecom; (v) consolidação de SPE e contingências sobre dívida emitida”.

Sem contar com estes fatores extraordinários, e contabilizando apenas a atividade corrente do banco, os prejuízos teriam ascendido a 255,4 milhões de euros, que comparam com os números negativos homólogos de 237,4 milhões.

Os principais indicadores revelam que uma quebra dos depósitos de clientes, de 5,2% para os 35,9 mil milhões de euros, e uma subida do crédito concedido a clientes, de 0,3% para os 51,3 mil milhões.

O produto bancário comercial teve uma queda de 23,8% face ao semestre homólogo, “determinado pelos
ajustamentos contabilísticos realizados no BESA; sem este efeito teria um aumento de
2,2%”, enquanto que os custos operativos aumentaram 5,7% devido “ao custo com as reformas antecipadas de 139 colaboradores e a
alterações no perímetro de consolidação; excluindo estes efeitos os custos
teriam aumentado 0,8% com redução de 2,1% na área doméstica”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Congresso APDC

“Temos um responsável da regulação que não regula”

Congresso APDC

Governo. Banda larga deve fazer parte do serviço universal

Outros conteúdos GMG
BES apresenta prejuízos de 3,6 mil milhões de euros no primeiro semestre