China

BNU Macau abre primeira sucursal na China até ao fim do ano

Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon
Foto: REUTERS/Kim Kyung-Hoon

Segundo o presidente executivo do banco, Pedro Cardoso, falta apenas a aprovação final por parte das autoridades regulatórias da China.

O Banco Nacional Ultramarino (BNU) em Macau pretende abrir a sua primeira sucursal na China até ao final do ano, disse hoje à Lusa o presidente executivo do banco.

Um despacho do secretário para a Economia e Finanças de Macau, Lionel Leong, publicado na terça-feira em Boletim Oficial, com efeitos a partir de hoje, autoriza a sucursal do BNU na Ilha da Montanha, em Zhuhai, cidade chinesa adjacente a Macau, a “exercer as atividades autorizadas na Região Administrativa Especial”.

Segundo o presidente executivo do banco, Pedro Cardoso, falta apenas a aprovação final por parte das autoridades regulatórias da China.

A abertura desta sucursal do BNU tem a ver “com o desenvolvimento das relações comerciais entre a China e Macau”.

“Temos um número muito significativo de empresários e clientes em geral que têm investimento na China — sejam fábricas, empresas de prestação de serviço ou mesmo investimento imobiliário — e queremos obviamente prestar serviços financeiros a esse tipo de clientes”, afirmou Pedro Cardoso.

“Queremos aproveitar o facto de termos uma presença na China para também participar no desenvolvimento das relações comerciais entre a China e os países de expressão portuguesa, onde o grupo Caixa Geral de Depósitos, no qual o BNU se insere, tem uma presença absolutamente ímpar, porque está presente com operações de banca de retalho em sete países de expressão portuguesa e em cinco é líder de mercado”, realçou.

O BNU em Macau, atualmente com 19 agências, fechou o primeiro semestre com lucros de 278,5 milhões de patacas (31 milhões de euros), mais 17% do que no mesmo período de 2015, e com aproximadamente 220 mil clientes, o equivalente a um terço da população da cidade.

A instituição tem também as funções de banco emissor de moeda em Macau, missão que partilha com o Banco da China.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
País precisa de repor, pelo menos, os 150 mil hectares de floresta perdida nos últimos 10 anos. Fotografia: Rodrigo Cabrita

Floresta vale mais de 1,3 mil milhões e está subaproveitada

António Serrano, nos estúdios da TSF. Professor catedrático e político português, foi Ministro da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas do XVIII Governo Constitucional de Portugal.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

António Serrano: “É preciso um choque de gestão no território florestal”

Jean-Claude Juncker. Fotografia: REUTERS / François Lenoir

Dinheiro do plano Juncker para Portugal duplica em apenas um ano

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
BNU Macau abre primeira sucursal na China até ao fim do ano