banca

BPI. CaixaBank absteve-se para “não condicionar” o resultado

CaixaBank . Fotografia:  REUTERS/Albert Gea
CaixaBank . Fotografia: REUTERS/Albert Gea

Acionistas. Dos 84,15% do capital representado na assembleia, 76% abstiveram-se

O CaixaBank não quis “condicionar o resultado da votação” na assembleia geral do BPI que esta terça-feira aprovou a venda de 2% do Banco de Fomento de Angola à Unitel, de Isabel dos Santos, e, por isso, absteve-se, anunciou o banco catalão em comunicado.

“Com a abstenção, o CaixaBank não quis condicionar o resultado da votação com o seu voto decisivo e optou por aceitar a decisão que fosse adotada pelos restantes acionistas do BPI que acorreram à assembleia geral”, pode ler-se no documento.

A operação, decisiva para solucionar o problema do excesso de concentração de riscos do BPI em Angola, na medida em que o banco português passará a ser minoritário no BFA e deixará de incluir o negócio angolano no seu perímetro de consolidação, foi aprovada com os votos contra de 3,8% do capital total do BPI.

O CaixaBank destaca, ainda, no comunicado que o resultado da votação “reflete inequivocamente um apoio maioritário por parte dos acionistas do BPI à proposta realizada pelo seu conselho de administração e permitirá solucionar o incumprimento da concentração de grandes riscos do BPI logo que a venda dos 2% do BFA seja formalizada”.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fernando Ulrich, futuro chairman do BPI, e Pablo Forero, futuro CEO. Foto: Tiago Petinga/EPA

Acionistas do BPI reunidos. Começa hoje a era CaixaBank

Brasil é a 1ª economia da América do Sul

Portugal é a nova Miami para os brasileiros ricos

Fernando Rocha Andrade
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Cobrança coerciva deverá render neste ano 1104 milhões ao fisco

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
BPI. CaixaBank absteve-se para “não condicionar” o resultado