Resultados

BPI regista lucro de 366,1 milhões no primeiro semestre

O presidente executivo do BPI, Pablo Forero. (Foto: António Cotrim/Lusa)
O presidente executivo do BPI, Pablo Forero. (Foto: António Cotrim/Lusa)

O resultado líquido da atividade do banco em Portugal subiu de 10,7 milhões de euros para 222,5 milhões nos primeiros seis meses deste ano.

O BPI registou um lucro líquido consolidado de 366,1 milhões de euros no primeiro semestre de 2018, que compara com um prejuízo de 101,7 milhões no período homólogo do ano passado.

O resultado beneficiou de um aumento de 32% do lucro recorrente da atividade em Portugal e de 121,3 milhões de euros de ganhos com a venda de participações na Viacer, do BPI Gestão de Ativos e do BPI GIF.

No primeiro semestre de 2017 o banco do espanhol CaixaBank contabilizou o impacto negativo de 212,3 milhões de euros da venda de 2% do angolano BFA e um custo de 76,3 milhões de euros com reformas antecipadas e rescisões.

O resultado líquido da atividade do banco em Portugal subiu de 10,7 milhões de euros para 222,5 milhões nos primeiros seis meses deste ano. A atividade no mercado doméstico contribuiu assim com 61% para o lucro consolidado. Em termos correntes, o resultado líquido em Portugal cresceu 32% para 104,2 milhões de euros.

A contribuição do BFA para o lucro consolidado foi de 136,3 milhões de euros e a do BCI de 7,1 milhões de euros.

“Podemos olhar tranquilos para o futuro porque a equipa executiva está a atingir os objetivos”, afirmou Pablo Forero, presidente executivo do banco na conferência de apresentação dos resultados, esta terça-feira, em Lisboa, no edifício histórico que o BPI alienou recentemente a um fundo alemão.

A margem financeira do BPI subiu 7,6% para 207,2 milhões de euros entre janeiro e junho. O produto bancário cresceu de 440,1 milhões de euros para 573 milhões de euros.

As comissões líquidas aumentaram de 123,7 milhões de euros para 134,6 milhões de euros no mesmo período.

Quanto aos depósitos de clientes, cresceram 7,5% em termos homólogos, o correspondente a 1.445 milhões de euros, para 20.813 milhões de euros.

Nos empréstimos, a produção de novo crédito hipotecário atingiu os 700 milhões de euros, um aumento de 44%.

Em termos de crédito malparado, o rácio de NPE (non-performing exposures) melhorou 1,3 pontos percentuais em relação a dezembro de 2017, fixando-se nos 3,8% em junho passado. A cobertura de NPE por imparidades e colaterais é de 125%.

Quanto aos rácios de capital fully loaded, o CET1 situou-se em 12,8% e o total em 14,6%.

Saída de Bolsa no final do ano

O CaixaBank vai retirar o BPI de Bolsa, o que deverá estar concluído em novembro ou dezembro deste ano, segundo Pablo Forero.

O pedido para perda de qualidade de sociedade aberta foi feito pelo CaixaBank no início de maio, depois de um acordo com a seguradora Allianz para a compra da posição de 8,425%, por 178 milhões de euros. O banco espanhol, como passou a deter mais de 90% do capital do BPI, pôde iniciar o processo para retirar o banco liderado por Pablo Forero.

A medida foi aprovada no final de junho pelos acionistas do banco.

Também até ao final de 2018, o BPI espera lançar em Portugal as operações do CaixaBank Consumer Finance para concessão de crédito ao consumo, estando a aguardar o ‘OK’ dos reguladores.

Quanto à venda da posição ainda detida no angolano BFA, Forero reiterou que a solução de uma Oferta Pública Inicial é vista com bons olhos pelo banco, desde que a Unitel de Isabel dos Santos aceite.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Banco de Portugal

Bancos concederam moratórias a 741 623 empréstimos entre março e junho

Pingo Doce

PD. Sindicato quer impugnar no Tribunal “golpada” no referendo do banco de horas

Hiper Pingo Doce__00266

Sindicato leva banco de horas do Pingo Doce a tribunal

BPI regista lucro de 366,1 milhões no primeiro semestre