BPI: Reputação da PT afetada com financiamento ao GES

Henrique Granadeiro, CEO da PT
Henrique Granadeiro, CEO da PT

A Portugal Telecom e a brasileira Oi, empresas de telecomunicações que estão em processo de fusão, podem ver a sua reputação afetada pelo facto de a operadora portuguesa ter subscrito 900 milhões de euros de dívida de curto prazo destinada a financiar empresas do Grupo Espírito Santo (GES).

O alerta foi hoje dado pelo BPI que, numa nota de análise citada pela Reuters, adianta que “dadas as irregularidades detectadas na Espírito Santo International,
uma sociedade do Grupo Espírito Santo e accionista a 100% da Rioforte,
as dificuldades que o GES está a enfrentar e a controvérsia em torno do BES e do GES, vemos riscos reputacionais para a PT e Oi, já que estarão, de
alguma forma, envolvidas nestas matérias devido aos acontecimentos
mencionados na imprensa”.

Por não ter informação suficiente para avaliar os investimentos e a capacidade de reembolso por parte do GES à PT, o banco de investimento salienta apenas os riscos reputacionais pelo envolvimento da operadora
nestas questões. Nesse sentido, considera que as notícias têm um impacto
“negativo” nas ações da PT.

“Além disto, não temos informação sobre as empresas do GES,
e da Rioforte em particular, para avaliar os riscos deste
investimento”, afirmou o BPI.

“Contudo, temos de sublinhar que, de acordo com fontes da
imprensa, a ESI tem entre 2.000 e 2.500 milhões de euros de ‘book value’
negativo e a dívida total do GES está nos 7.300 milhões de euros”,

O banco de investimento comenta a notícia avançada ontem pelo Expresso Diário, segundo a qual a Portugal Telecom investiu 900 milhões de
euros em papel comercial da Rioforte, holding do Grupo Espírito Santo
(GES).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Frederico Varandas, presidente do Sporting.

(Filipe Amorim / Global Imagens)

Sporting vende créditos de contrato com a NOS por 65 milhões

Cerimónia da assinatura da venda do Novo Banco à Lone Star, no Banco de Portugal. Luis Máximo dos Santos, Donald Quintin e Carlos Costa.

( Filipe Amorim / Global Imagens )

Máximo dos Santos: “Venda do Novo Banco evitou sério prejuízo”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
BPI: Reputação da PT afetada com financiamento ao GES