Comissão Europeia

Bruxelas destaca redução de crédito malparado em Portugal

Vice-Presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis. 21 de novembro de 2018.  REUTERS/Yves Herman
Vice-Presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis. 21 de novembro de 2018. REUTERS/Yves Herman

Valdis Dombrovskis incluiu Portugal num lote de seis países onde a diminuição do crédito malparado foi de 3% ou mais.

A Comissão Europeia enalteceu esta quarta-feira o reforço “considerável” da estabilidade financeira na União Europeia, destacando a redução do crédito malparado, nomeadamente em Portugal, e apelou ao desenvolvimento mais rápido da União dos Mercados de Capitais (UMC).

Na apresentação de terceiro relatório intercalar sobre os progressos realizados na redução dos riscos, essencial para a conclusão da União Bancária, o vice-presidente Valdis Dombrovskis, responsável pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e UMC incluiu Portugal num lote de seis países onde a diminuição do crédito malparado foi de 3% ou mais.

“O relatório demonstra que a estabilidade financeira foi consideravelmente reforçada nos últimos anos e a redução dos riscos no setor bancário da UE prossegue a um ritmo sustentado. Particularmente, em apenas um ano, o crédito malparado diminuiu 1,2% a nível comunitário, fixando-se agora nos 3,4%. Na Croácia, Chipre, Hungria, Irlanda, Portugal e Eslovénia constatámos reduções de 3% ou mais”, sustentou.

Valdis Dombrovskis elogiou “as boas notícias” e lembrou que “uma percentagem mais baixa de crédito malparado significa que os bancos estão mais estáveis e rentáveis”.

Bruxelas considera que, embora seja necessário continuar a envidar esforços para dar resposta aos problemas herdados da crise financeira que continuam a pesar sobre o setor, os resultados são muito “encorajadores”.

O relatório esta quarta-feira publicado será o ponto de partida para os debates da Cimeira do Euro, no próximo mês de dezembro, sobre o reforço do Mecanismo Europeu de Estabilidade e a conclusão da União Bancária, nomeadamente no que diz respeito à criação de um mecanismo de apoio comum para o Fundo Único de Resolução e às próximas etapas de criação de um Sistema Europeu de Seguro de Depósitos.

A Comissão congratulou-se igualmente com os progressos realizados nos trílogos sobre o pacote de medidas de redução dos riscos no setor bancário, apresentado em novembro de 2016, e exortou o Parlamento Europeu e o Conselho Europeu a aprovarem rapidamente este pacote, bem como o pacote global de medidas legislativas de combate aos créditos malparados, apresentado em março de 2018.

Em outra comunicação paralela, o executivo comunitário realçou que é “essencial” concluir a UMC para tornar as economias dos Estados-Membros e a União Económica e Monetária mais resilientes, preservar a estabilidade financeira, reforçar o papel internacional do euro e diversificar as fontes de financiamento, em particular para as pequenas e médias empresas.

Para Bruxelas, a UMC oferecerá maior possibilidade de escolha aos consumidores, que poderão aceder a produtos de investimento mais baratos e de melhor qualidade, e permitirá que os prestadores de serviços financeiros se desenvolvam e proponham os seus serviços noutros Estados-Membros.

Assim, a Comissão apelou a um novo compromisso político e a um maior empenho para concluir as fundações da UMC antes das eleições europeias do próximo mês de maio.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Imagem de 2016 sobre as filas no atendimento para obter o passe do Metro, esta tarde na estação do Campo Grande em Lisboa. 
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Passe Família já pode ser pedido. Mas prepare-se para a burocracia

Imagem de 2016 sobre as filas no atendimento para obter o passe do Metro, esta tarde na estação do Campo Grande em Lisboa. 
( Pedro Rocha / Global Imagens )

Passe Família já pode ser pedido. Mas prepare-se para a burocracia

Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa.

Programa Regressar arranca. Governo dá incentivo até 6500 euros a emigrantes

Outros conteúdos GMG
Bruxelas destaca redução de crédito malparado em Portugal