fintech

Bruxelas quer licenças pan-europeias para as fintech

Fotografia: EPA/WALLACE WOON
Fotografia: EPA/WALLACE WOON

Esta é a forma encontrada pela Comissão Europeia para ajudar as fintech a concorrerem com os bancos tradicionais.

A Comissão Europeia vai propor licenças pan-europeias para as fintech (startups financeiras) possam operar em toda a União Europeia. A proposta deverá ser apresentada no início de 2018 para remover as barreiras administrativas às operações de crowdfunding (financiamento colaborativo) e plataformas de empréstimo P2P (de pessoa para pessoa, sem intermediários). Desta forma, Bruxelas quer que estas fintech possam concorrer, de igual forma, com as rivais norte-americanas e asiáticas.

Esta é a forma encontrada pela Comissão Europeia para ajudar as fintech a concorrerem com os bancos tradicionais. Além de facilitarem os pagamentos, estas novas empresas conseguem ajudar os consumidores a gerirem as suas despesas e oferecem serviços mais baratos para particulares e empresas, refere esta quarta-feira o Financial Times.

“A Europa está, certamente, bem colocada para as novas fintech emergirem, em termos de necessidade de competências, financiamento para inovação e disponibilidade de capital. Tudo está reunido para a Europa ser um grande local para começarem as fintech“, refere o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, em declarações ao jornal britânico.

Dombrovskis considera também que, ao existirem “demasiadas barreiras”, os países da União Europeia têm impedido o crescimento das fintech. “Continuamos sem ter o mercado único digital…e é por isso que vemos muitas fintech europeias a irem para os Estados Unidos ou a Ásia para escalar”.

Leia aqui: Governo arranca com grupo de trabalho sobre fintech

A atribuição de licenças pan-europeias para as fintech faz parte do plano da União de Mercados de Capitais, que pretende padronizar as regras administrativas ao nível da União Europeia e substituir pelas atuais regras, que são definidas por cada estado-membro.

Com esta legislação, a União Europeia também quer antecipar os efeitos da saída do Reino Unido, que vai arrastar a City de Londres, uma das principais praças financeiras da Europa. É nesta cidade que estão sedeadas também algumas das maiores fintech da Europa.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

Bruxelas quer licenças pan-europeias para as fintech