banca

CaixaBank reforça posição no BPI e passa a deter mais de 94% do capital social

BPI agora é dominado pelo CaixaBank  (Fotografia: Dinheiro Vivo)
BPI agora é dominado pelo CaixaBank (Fotografia: Dinheiro Vivo)

O espanhol CaixaBank reforçou a posição no BPI com a compra de 357.244 ações ordinárias, passando a deter 94,053% do capital social da instituição financeira, foi hoje comunicado ao mercado.

De acordo com a informação enviada à Comissão do Mercado de valores Mobiliários (CMVM), o CaixaBank pagou “um preço médio de 1,45 euros por ação e um valor total de 518.003,80 euros”.

“Na sequência destas aquisições, o CaixaBank passou a deter diretamente 1.370.274.736 ações representativas do capital social do BPI e de 94,062% dos direitos de voto”, lê-se no documento.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
CaixaBank reforça posição no BPI e passa a deter mais de 94% do capital social