CGD

Centeno: Não havia melhor forma de proteger trabalhadores do que capitalizar CGD

Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: D.R.
Mário Centeno, ministro das Finanças. Fotografia: D.R.

Mário Centeno disse que se recapitalização não tivesse sido feita isso “arrastaria o sistema financeiro nacional”

O ministro das Finanças foi confrontado no parlamento com a redução de balcões da Caixa Geral de Depósitos e sobre o novo acordo de empresa no banco público. Esses cortes foram acordados com Bruxelas para que a instituição financeira pudesse ser recapitalizada pelo Estado.

Mário Centeno considera, no entanto, que “não havia melhor forma de proteger os trabalhadores e empregos na Caixa do que tornando-a num banco capitalizados e com plano de negócios credível que passa por dar retorno ao acionista”.

O ministro explicou, numa audição requerida pelo PCP, que a Caixa enfrentava uma “ameaça de resolução bancária”. E defendeu que a recapitalização “foi a melhor forma de proteger vários interesses, entre os quais o da estabilidade financeira”. Detalhou que se em 2016 “o maior banco tivesse um processo de resolução arrastaria o sistema financeiro nacional”.

Na perspetiva do governo, a CGD só pode cumprir a missão de apoio à economia se “estiver capitalizada e conseguir resolver problemas como o crédito malparado”. E Centeno defende que “é isso que a CGD tem vindo a fazer, com uma redução muito significativa de malparado para libertar recursos”.

Para cumprir com os rácios de capital exigidos pelos supervisores e para compensar os prejuízos de milhares de milhões nos últimos anos, a Caixa teve de receber uma injeção de capital de 3,9 mil milhões de euros por parte do Estado em 2017.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Centeno: Não havia melhor forma de proteger trabalhadores do que capitalizar CGD