CGD

CEO da CGD mantém salário do BPI e fica aquém de Ulrich e Vieira Monteiro

Foto: JOÃO RELVAS/LUSA
Foto: JOÃO RELVAS/LUSA

Domingues vai manter salário que auferia no BPI, abaixo dos valores pagos a Ulrich e Vieira Monteiro. Amado e Stock da Cunha receberam 385 mil euros

O salário anual previsto para o novo presidente da Caixa Geral de Depósitos (CGD) será de 423 mil euros anuais, apontou esta tarde Mário Centeno no parlamento. Este valor significa que António Domingues vai manter a mesma remuneração fixa que recebeu enquanto vice-presidente do BPI ao longo de 2015.

A remuneração de Domingues ficará assim aquém da recebida pelo seu antigo presidente, Fernando Ulrich, que ao longo do ano passado recebeu 462 mil euros de remuneração fixa no BPI. De resto, e em comparação com as práticas dos restantes bancos mais significativos presentes no mercado português, o novo CEO da CGD ultrapassa apenas o salário de Nuno Amado e Stock da Cunha, respetivamente CEO do BCP e Novo Banco em 2015 – que receberam cerca 385 mil euros de salário anual.

O ministro das Finanças, hoje a ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, revelou que o presidente da Caixa Geral de Depósitos vai ganhar 423 mil euros anuais no banco público.

Apesar da remuneração fixa prevista para António Domingues ser idêntica à que recebeu do BPI ao longo de 2015, a verdade é que no final das contas o novo CEO da CGD até poderá ficar a perder face ao enquadramento contratual que tinha no BPI.

No ano passado, e além dos 423 mil euros de remuneração fixa, Domingues recebeu ainda 112 mil euros de remuneração variável – relativa ao ano de 2013 – e outros seis mil euros à conta de diuturnidades. Ou seja, mais de 540 mil euros.

Contudo, e já em comparação com o seu antecessor, José de Matos, o salário fixo do novo CEO da CGD implica um aumento superior a 80% na folha de vencimentos, já que o ex-CEO do banco público auferia 16,5 mil euros mensais – 232 mil euros no total dos 14 vencimentos do ano.

Ulrich e Vieira Monteiro lideram

Olhando para os relatórios e contas de 2015 das principais instituições bancárias presentes em Portugal, conclui-se que o novo salário do CEO da CGD ficará aquém dos recebidos pelo presidente do Santander Totta e do BPI.

Ao longo de 2015, Fernando Ulrich recebeu 462 mil euros de remuneração fixa, a que se somaram 122,7 mil euros de variável e mais 7,6 mil euros em diuturnidades. Quanto a Vieira Monteiro, CEO do Santander, recebeu 568 mil euros de remuneração anual fixa, além de 225 mil euros em variáveis.

Já no BCP, a remuneração fixa de Nuno Amado foi de 385,16 mil euros anuais em 2015, sendo que o banco não pagou quaisquer importâncias a título de remuneração variável. Estes valores estão em linha com o que foi pago a Stock da Cunha, que liderou o banco intervencionado Novo Banco ao longo do ano passado, tendo recebido 384 mil euros anuais.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

CEO da CGD mantém salário do BPI e fica aquém de Ulrich e Vieira Monteiro