banca

CGD: 347 trabalhadores deixaram o banco até maio

CGD

Até 2020, a Caixa corta 2000 postos de trabalho. Fecho de agências também vai obrigar a relocalizar pessoal.

Em cinco meses, 347 trabalhadores deixaram a Caixa Geral de Depósitos – a maioria, por via do plano de reformas do banco que se encontra em processo de reestruturação e que, até 2020, prevê retirar um total de 2000 trabalhadores dos quadros.

O número é avançado pelo semanário Expresso este sábado, notando que até ao final do ano a Caixa deverá afastar pelo menos mais 150 funcionários para cumprir o plano de redução anual de 500 trabalhadores.

O plano de saídas do pessoal da Caixa, que no ano passado contava 8321 trabalhadores, tem vindo a realizar-se por via de rescisões amigáveis, pré-reforma e reforma. Em 2017, saíram 547 funcionários da CGD.

Com o encerramento de balcões do banco – 70 este ano – haverá também trabalhadores recolocados. A Comissão de Trabalhadores da Caixa diz não ter os números exatos, mas prevê que centenas de funcionários se encontrarão nessa situação.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: direitos reservados

RGPD. Um ano depois, mercado português pede maturidade e legislação

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Outros conteúdos GMG
CGD: 347 trabalhadores deixaram o banco até maio