banca

CGD acaba com isenção de comissões aos jovens

Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos. Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA
Paulo Macedo, presidente da Caixa Geral de Depósitos. Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A partir de maio, as contas dos titulares Megacartão Jovem (até aos 29 anos) passarão a pagar 4,95 euros de comissão de manutenção mensal.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) anunciou o fim da isenção das comissões de manutenção de conta aos jovens, de acordo com o Jornal de Negócios.

A decisão surge no âmbito da política de alteração das despesas cobradas aos clientes e abrange os titulares que possuam o cartão Megacartão Jovem (até aos 29 anos).

A partir de maio, as contas dos titulares deste cartão passarão a pagar 4,95 euros de comissão de manutenção mensal, acrescida de imposto de selo de 4%.

O Negócios recorda que no Verão de 2017, o banco presidido por Paulo Macedo anunciou que a domiciliação do ordenado deixava de ser suficiente para isentar os clientes da comissão de manutenção de conta. Uma “benesse” que passou a abranger um número reduzido de clientes.

 

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, da Administração e do Emprego Público, Maria de Fátima Fonseca (E), dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (2-E), do Orçamento, João Leão (2-D), e do Tesouro, Álvaro Novo (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça as principais medidas do Orçamento do Estado para 2019

O ministro das Finanças, Mário Centeno (C), acompanhado pelos secretários de Estado, dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes (E), do Orçamento, João Leão (2-D), e o Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix (D), fala durante conferência de imprensa sobre a proposta do Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), realizada no Salão Nobre do Ministério das Finanças, em Lisboa, 16 de outubro de 2018. Na proposta de OE2019, o Governo estima um crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2% no próximo ano, uma taxa de desemprego de 6,3% e uma redução da dívida pública para 118,5% do PIB. No documento, o executivo mantém a estimativa de défice orçamental de 0,2% do PIB no próximo ano e de 0,7% do PIB este ano. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Dos partidos aos sindicatos, passando pelo PR, as reações ao OE 2019

Outros conteúdos GMG
CGD acaba com isenção de comissões aos jovens