banca

CGD altera preçário de comissões e deixa contas mais caras

Caixa Geral Depósitos CGD Juros depósitos
Reuters

Algumas contas de serviços mínimos bancários vão ser alvo de comissão e há preços mais altos para cheques e atualizações de cadernetas ao balcão.

O novo preçário do banco público entra em vigor a partir do dia 25 de janeiro de 2020. O banco de Paulo Macedo já disponibiliza online o novo folheto de comissões e despesas. Além da cobrança pelas transferências de MB Way, que (ainda) são gratuitas na Caixa, há mudanças também nas contas SMB (Serviços Mínimos Bancários) e Conta Caixa, além de valores mais elevados para levantamentos de dinheiro ou atualizações de caderneta ao balcão.

A partir de janeiro, algumas contas de Serviços Mínimos Bancários vão ser alvo de comissão, com valores na ordem de 4,08 euros por ano (34 cêntimos por mês), valor a que ainda é necessário adicionar o imposto de selo. Em comparação com o preçário atual – alterado a 5 de outubro – estas contas estavam isentas de despesas. Fica apenas isento quem ganha o salário mínimo.

“A Caixa vai isentar de qualquer pagamento na conta de serviços mínimos, a todos os clientes que tenham uma remuneração igual ou inferior ao salário mínimo nacional. Para os restantes clientes desta conta, o custo será de 34 cêntimos de euro, ou seja cerca de um cêntimo por dia”, pode ler-se num documento enviado por fonte oficial do banco público à Lusa.

Também vai ser mais cara a manutenção nas Contas Pacote. A modalidade mais básica, a Conta Caixa S, passará a ter custos de manutenção de 3,20 euros por mês, mais o valor de imposto de selo (com bonificação). Sem bonificação, os valores alteram-se para os 4,95 euros por mês (mais imposto de selo). Atualmente, segundo o preçário que está em vigor desde o dia 5 de outubro, um cliente com este tipo de conta paga valores entre os 2,80 euros mensais e os 4,95 mensais, dependendo dos fatores.

As Conta Caixa M e Caixa L não sofrem alterações, mantendo-se nos 4 euros por mês ou 5 euros por mês, respetivamente.

Com tantos aumentos, há uma excepção: a partir de janeiro, será mais barato para alguns clientes manter uma Conta Caixa Azul (normalmente atribuída aos clientes com rendimentos mais altos). Dos 7,28 euros mensais, de acordo com o preçário atual, as comissões mensais descem até aos 5 euros (mais imposto de selo).

Para quem levanta dinheiro ao balcão com caderneta, esta operação passará a ter um custo de três euros, valor a que ainda precisa de juntar o imposto de selo. Se ainda atualiza a caderneta ao balcão também há alterações de custo: a operação passará a custar dois euros.

Também a requisição de cheques ao balcão está mais cara e a mudança arranca logo a 1 de janeiro de 2020. O valor mais alto diz respeito à requisição de cheques cruzados ao balcão, com um custo de 20 euros.

O novo preçário, que entra em vigor a 25 de janeiro, pode ser consultado aqui. Nesta ligação pode ter acesso ao preçário atual de comissões, em vigor desde 5 de outubro.

*Notícia atualizada às 19:40 com a informação enviada à Lusa sobre a isenção da comissão nas contas de serviços mínimos bancários.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Poupança das famílias subiu no 2º trimestre

Deco pede medidas urgentes para travar crédito ao consumo

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

CGD altera preçário de comissões e deixa contas mais caras