Auditoria CGD

CGD: auditoria da EY não conseguiu dados de aval pessoal de Berardo

Berardo acha que dívida vai ser perdoada

Empresário terá entregado aval pessoal de 37,8 milhões, mas relatório de auditoria à gestão do crédito do banco não encontrou informação.

Joe Berardo, que em 2008 acumulava dívidas de 347 milhões de euros à Caixa Geral de Depósitos, terá entregado um aval pessoal no valor de 37,8 milhões de euros. Mas a auditoria da consultora EY aos créditos concedidos pelo banco entre 2000 e 2015 não conseguiu apurar se este chegou a ser executado, ou se foi mesmo efetivamente entregue pelo empresário.

A informação é avançada este domingo pelo jornal Público, que cita documentos da Caixa a que teve acesso, bem como a auditoria aos atos de gestão do banco levada a cabo pela EY, cujo relatório final foi entregue recentemente no parlamento.

Segundo o diário, a Direção de Grandes Empresas da CGD fazia, em finais de 2008, referência a “um aval pessoal do comendador José Berardo de 37,8 milhões de euros”, entregue a par de ações do BCP, para garantir dívidas da Fundação José Berardo contraídas durante a liderança do banco por Carlos Santos Ferreira.

O Público também dá conta de um pedido de carência de juros e capital por 24 meses feito pelo empresário, com dívidas de 297 milhões de euros pela fundação, e de outros 50 milhões pela Metalgest. A descoberto estariam 200 milhões de euros, 60% da dívida. E descreve as diligências da Caixa para recuperar o dinheiro: pedido de reforço de garantias, de devolução de parte do crédito (23 milhões de euros) e cobrança de parte dos juros.

Os documentos consultados indicam que Berardo terá chegado a pagar juros sobre o montante de crédito segurado pelo aval, mas não há dados sobre uma eventual execução. Foi a conclusão a que chegou a auditoria à gestão da Caixa, segundo a qual o banco não disponibilizou informação sobre esta garantia. Ao Público, a CGD também não respondeu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Foto: DR

IMI baixa para mais de 24 mil famílias que pediram reavaliação

António Costa Silva, presidente do frupo Partex. 
(Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens)

Huawei: “Portugal não tem a receber lições de moral”, diz presidente da Partex

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
CGD: auditoria da EY não conseguiu dados de aval pessoal de Berardo