banca

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Paulo Macedo, presidente da CGD (Global Imagens)
Paulo Macedo, presidente da CGD (Global Imagens)

A CGD disse que já cumpria "com margem significativa" em final de 2018 os requisitos de capital exigidos pelo BCE a partir de 1 de março de 2019.

O banco público divulgou, através de comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os rácios de capital exigidos pelo Banco Central Europeu a partir de 01 de março de 2019.

Segundo a Caixa Geral de Depósitos (CGD), a partir de 01 de março Frankfurt exige que tenha, pelas regras do período de transição, rácio CET1 de 9,75%, rácio T1 de 11,25% e rácio total de 13,25%.

A CGD divulga ainda os rácios que tinha em 31 de dezembro de 2018 nestes indicadores (14,7%, 15,7% e 17,1%, respetivamente), o que significa que já cumpria no ano passado os rácios pedidos pelo BCE para este ano.

Já com as regras completamente implementadas, o BCE pede que a CGD apresente de rácios 10,25% em CET1, 11,75% em T1 e 13,75% em rácio total, sendo que também neste caso a CGD já cumpria em 31 de dezembro passado (14,7%, 15,7% e 17%, respetivamente).

“Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, refer a CGD no comunicado ao mercado.

Os rácios de capital são indicadores de solvabilidade de um banco, sendo contabilizados em função dos ativos ponderados pelo risco.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Taxa de juro do crédito à habitação cai para 1%

Lisboa, 18/02/2020 - Plenário da Assembleia da República - Debate quinzenal com o primeiro ministro.
Primeiro Ministro António Costa com os restantes ministros que compõem o governo.
Jerónimo de Sousa - PCP
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Jerónimo avisa Costa que “sem aumentos salariais” os “problemas vão aumentar”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos (C), acompanhado pelo ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno e pelo presidente da CP, Nuno Freitas (E), na assinatura do contrato de serviço público entre o Estado e a CP, na Estação do Rossio, em Lisboa, 28 de novembro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

CP escapa a multas por atraso no contrato de serviço público

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE