banca

CGD nega que Paulo Macedo esteja de saída do banco público

Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens
Paulo Macedo, presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos. Fotografia: Nuno Pinto Fernandes / Global Imagens

Rumor que aponta que o presidente executivo da Caixa vai presidir à seguradora Fidelidade "não tem qualquer aderência à realidade".

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) nega que o seu presidente executivo, Paulo Macedo, esteja de saída do banco público, adiantando que o rumor que circula e que aponta que o gestor vai presidir à seguradora Fidelidade “não tem qualquer aderência à realidade”.

“O Dr. Paulo Macedo está focado no cumprimento do plano estratégico da Caixa até 2020”, disse fonte oficial do banco estatal, ao Dinheiro Vivo, esta sexta-feira.

Na Fidelidade, a informação também é desmentida, não estando previstas alterações na gestão, apurou o DV. A seguradora do grupo chinês Fosun é liderada por Jorge Magalhães Correia.

Paulo Macedo entrou em funções na CGD a 1 de fevereiro de 2017, sucedendo no cargo a António Domingues, que pediu a demissão. Antes, Macedo foi ministro da Saúde do governo PSD/CDS entre 2011 e 2015, diretor-geral dos Impostos.

A Caixa regressou aos lucros em 2017, com um resultado líquido de 51,9 milhões de euros, depois de cinco anos seguidos a registar prejuízos. No primeiro semestre deste ano, o banco passou de prejuízos a lucros de 194 milhões de euros.

O banco está a implementar um plano estratégico, na sequência da operação de recapitalização, que incluiu a saída de trabalhadores e fecho de balcões, bem como a saída de alguns mercados no exterior.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Fotografia: João Manuel Ribeiro/Global Imagens

Número de desempregados é o mais baixo dos últimos 28 anos

Cristina Casalinho, presidente do IGCP. Fotografia: Diana Quintela / Global Imagens

Portugal garante juros mais negativos em emissão de 1250 milhões

Presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi. REUTERS/Francois Lenoir

Draghi atira juros para mínimos históricos e abre guerra com Trump

Outros conteúdos GMG
CGD nega que Paulo Macedo esteja de saída do banco público