Resultados

CGD passa de prejuízos a lucros de 194 milhões até junho

O presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo. ANTÓNIO COTRIM/LUSA
O presidente da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Caixa passou de prejuízos de 50 milhões de euros no primeiro semestre de 2017 para lucros de 194 milhões de euros em junho deste ano.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) passou de prejuízos de 50 milhões de euros no primeiro semestre de 2017 para lucros de 194 milhões de euros nos primeiros seis meses deste ano.

A atividade em Portugal contribuiu com 119 milhões de euros para o resultado, quando um ano antes teve um peso negativo de 169 milhões de euros no resultado líquido da Caixa. Os negócios internacionais contribuíram com 75 milhões de euros para o resultado líquido do banco público.

O banco liderado por Paulo Macedo viu os seus resultados de serviços e comissões crescer 10% para 239 milhões de euros enquanto os custos de estrutura recorrentes caíram 14% para 465 milhões de euros.

As provisões e imparidades afundaram 89% para 45 milhões de euros.

Quanto à margem financeira, desceu 2% para 593 milhões de euros mas na atividade doméstica cresceu 5,8%.

O produto bancário da CGD caiu 153,1 milhões de euros para 889,3 milhões de euros face ao primeiro semestre de 2017, “influenciado pela redução significativa dos resultados de operações financeiras, dada a elevada expressão, dos mesmos, registada em 2017”.

Os custos operacionais desceram 14,3% em termos homólogos, para 515,8 milhões de euros, sendo que a redução de custos de pessoal foi de 49 milhões de euros.

Excluindo custos não recorrentes de 50,7 milhões de euros em 2018 e 61 milhões de euros em 2017 relativos a programas de redução de pessoal e gastos administrativos, o rácio cost-to-income prosseguiu a tendência de descida, fixando-se em 50,8% em junho passado.

Malparado cai

“Após o ano de 2017 em que a CGD reduziu os seus NPL [non-performing loans, segundo a definição da Autoridade Bancária Europeia] em 2,7 mil milhões de euros, o primeiro semestre de 2018 já regista uma redução adicional de 1,1 mil milhões de euros, com forte impacto das componentes de curas, write-offs e recuperações”, refere a CGD em comunicado.

O banco estatal tem vindo a executar um plano estratégico acordado com Bruxelas em 2016, no âmbito do seu plano de recapitalização. O plano prevê, nomeadamente, o fecho de balcões, redução do quadro de pessoal e venda de ativos no exterior.

O crédito a cliente líquido desceu 5,8% a beneficiar da queda de malparado, atingindo os 53.763 milhões de euros.

Já os depósitos de clientes, cresceram em 691 milhões de euros para 64.190 milhões de euros. Em Portugal, os depósitos aumentaram em 1.832 milhões de euros quando comparando com junho de 2017.

Em termos de liquidez, em junho, a Caixa encerrou a última fase do seu plano de recapitalização num total de 4944 milhões de euros, com a emissão de 500 milhões de euros de valores mobiliários representativos de fundos próprios de nível 2 (Tier 2). O rácio liquidity coverage ratio fixou-se em 216%.

Os rácios de capital CET1 phased-in e fully implemented eram ambos de 14% no final de junho.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE. Fotografia: Steven Governo/Lusa

OCDE. Défice português “desaparece” em 2020, mas é preciso mais

Fotografia: D.R.

Fisco vendeu uma média de 134 imóveis penhorados por mês

ANDRÉ AREIAS/LUSA

Operestiva diz que só pode contratar 30 estivadores

Outros conteúdos GMG
CGD passa de prejuízos a lucros de 194 milhões até junho