CGD

CGD. PSD diz que decisão do BCE atesta a “incompetência máxima” do Governo

Luís Montenegro, PSD
Luís Montenegro, PSD

Luís Montenegro, afirmou que a decisão do BCE em rejeitar oito dos nomes do Conselho de administração da Caixa atesta a "incompetência" do Governo.

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou hoje que a decisão do BCE em rejeitar oito dos nomes propostos para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos atesta a “incompetência” do Governo.

A decisão do Banco Central Europeu atesta “a incompetência máxima” do Governo, ao dizer que este “não está a aplicar a sua própria lei”, sublinhou Luís Montenegro, que falava na sede da concelhia do PSD de Loulé, no Algarve, considerando a situação “humilhante e embaraçosa” para o Estado português.

O Banco Central Europeu aprovou os 11 nomes propostos pelo Governo para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, mas rejeitou outros oito por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades.

A intenção, entretanto anunciada pelo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de alterar a lei bancária para recuperar “alguns” dos oito nomes rejeitados é vista pelo PSD como algo “patético”, referiu Luís Montenegro, criticando uma alteração legislativa que será “feita à medida, para ultrapassar a sua própria incompetência”.

Na perspetiva do líder da bancada social-democrata, o Governo deveria “ter pensado em aplicar a lei tal qual ela hoje está em vigor antes de fazer as suas propostas”, ao invés de fazer uma alteração para “poder nomear uma multidão de administradores para a Caixa Geral de Depósitos”.

Para Luís Montenegro, todo o processo de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) “é um autêntico manual de tudo aquilo que não deve ser feito” – “um hino à incompetência, à ligeireza e à displicência do Governo”.

O Governo colocou a CGD “numa situação de fragilidade e instabilidade”, estando-se a assistir “a uma profusão de notícias às pinguinhas”, criticou.

O próprio processo de recapitalização da Caixa está rodeado de “dúvidas e incertezas”, constatou, sublinhando que a “instabilidade” que o Governo trouxe para o banco público tem contado com um “silêncio cúmplice” dos partidos que apoiam o executivo socialista no parlamento, nomeadamente o PCP e o BE.

“Falam muito alto quando têm de defender, e bem, a existência de um banco público, mas depois calam-se – silenciam toda esta trapalhada que tem envolvido a gestão da Caixa”, notou.

Oito administradores não-executivos propostos foram reprovados por excederem o limite ao número de funções desempenhadas em órgãos sociais de outras sociedades previsto no Regime Geral das Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras (RGICSF).

Ao Jornal de Negócios, o secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Mourinho Félix, disse que o Governo vai alterar a lei bancária para recuperar “alguns” dos oito nomes rejeitados pelo BCE.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

João Leão e Mário Centeno. Foto: Tiago Petinga/Lusa

Governo impõe aumento de 0,3% na função pública. Impacto pode ser de 70 milhões.

Christine Lagarde, presidente do BCE. Fotografia: REUTERS/Johanna Geron

Lagarde corta crescimento da zona euro para apenas 1,1% em 2020

Outros conteúdos GMG
CGD. PSD diz que decisão do BCE atesta a “incompetência máxima” do Governo