CGD

CGD. PSD diz que decisão do BCE atesta a “incompetência máxima” do Governo

Luís Montenegro, PSD
Luís Montenegro, PSD

Luís Montenegro, afirmou que a decisão do BCE em rejeitar oito dos nomes do Conselho de administração da Caixa atesta a "incompetência" do Governo.

O líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, afirmou hoje que a decisão do BCE em rejeitar oito dos nomes propostos para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos atesta a “incompetência” do Governo.

A decisão do Banco Central Europeu atesta “a incompetência máxima” do Governo, ao dizer que este “não está a aplicar a sua própria lei”, sublinhou Luís Montenegro, que falava na sede da concelhia do PSD de Loulé, no Algarve, considerando a situação “humilhante e embaraçosa” para o Estado português.

O Banco Central Europeu aprovou os 11 nomes propostos pelo Governo para o Conselho de Administração da Caixa Geral de Depósitos, mas rejeitou outros oito por excederem o limite de cargos em órgãos sociais de outras sociedades.

A intenção, entretanto anunciada pelo secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de alterar a lei bancária para recuperar “alguns” dos oito nomes rejeitados é vista pelo PSD como algo “patético”, referiu Luís Montenegro, criticando uma alteração legislativa que será “feita à medida, para ultrapassar a sua própria incompetência”.

Na perspetiva do líder da bancada social-democrata, o Governo deveria “ter pensado em aplicar a lei tal qual ela hoje está em vigor antes de fazer as suas propostas”, ao invés de fazer uma alteração para “poder nomear uma multidão de administradores para a Caixa Geral de Depósitos”.

Para Luís Montenegro, todo o processo de gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD) “é um autêntico manual de tudo aquilo que não deve ser feito” – “um hino à incompetência, à ligeireza e à displicência do Governo”.

O Governo colocou a CGD “numa situação de fragilidade e instabilidade”, estando-se a assistir “a uma profusão de notícias às pinguinhas”, criticou.

O próprio processo de recapitalização da Caixa está rodeado de “dúvidas e incertezas”, constatou, sublinhando que a “instabilidade” que o Governo trouxe para o banco público tem contado com um “silêncio cúmplice” dos partidos que apoiam o executivo socialista no parlamento, nomeadamente o PCP e o BE.

“Falam muito alto quando têm de defender, e bem, a existência de um banco público, mas depois calam-se – silenciam toda esta trapalhada que tem envolvido a gestão da Caixa”, notou.

Oito administradores não-executivos propostos foram reprovados por excederem o limite ao número de funções desempenhadas em órgãos sociais de outras sociedades previsto no Regime Geral das Instituições de Crédito e das Sociedades Financeiras (RGICSF).

Ao Jornal de Negócios, o secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, Mourinho Félix, disse que o Governo vai alterar a lei bancária para recuperar “alguns” dos oito nomes rejeitados pelo BCE.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
7. Aeroporto de Londres Heathrow

Oficial. Portugal fora do corredor turístico do Reino Unido

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Decisão do Reino Unido é “absurda”, “errada” e “desapontante”, diz Santos Silva

O primeiro ministro, António Costa.     MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

António Costa admite despedimentos na TAP com menos rotas e aviões

CGD. PSD diz que decisão do BCE atesta a “incompetência máxima” do Governo