CGD

CGD vai encolher e nem todos os cantos do país terão uma agência

Fotografia: Rui Coutinho
Fotografia: Rui Coutinho

Os compromissos com Bruxelas são claros: A CGD deve ser rentável e isso não se conjuga com a presença em todos os cantos do país

É o preço a pagar para ter uma Caixa Geral de Depósitos (CGD) rentável: “Que ninguém peça à CGD para estar onde os outros bancos não querem estar”, respondeu Paulo Macedo, depois de questionado se o banco público iria continuar presente em todos os distritos do país, como os trabalhadores e os partidos mais à esquerda têm exigido.

Em outubro último, a CGD era a única instituição financeira presente em todos os concelhos do país, um alcance geográfico apontado como uma “linha vermelha” que a reestruturação não deveria passar. Contudo, o CEO deu a entender que esta linha vermelha será ultrapassada.

“Se a CGD não tivesse apresentado como pressuposto que vai atingir a rentabilidade, não seria recapitalizada”, começou por referir Paulo Macedo, justificando desta forma a opção que o banco vai tomar de aumentar comissões aos seus clientes mas também as metas para a redução de custos. “São passos essenciais que a CGD precisa de dar.”

Mais em concreto sobre o fecho de balcões, Macedo explicou que os encerramentos são outro dos pressupostos previstos no acordo com a Comissão Europeia. “A CGD procurará mitigar e ver como é que pode agir nas localidades que não são servidas por outros bancos, de que forma poderá manter aí um serviço”, começou por dizer.

Mas avisou: “É muito claro que ninguém pode pedir à CGD que fique onde mais nenhum banco quer estar, porque a CGD deve prestar serviço público mas se ficarmos nos sítios onde ninguém quer estar, então o banco não saía deste ciclo de seis anos de prejuízos em que esteve.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Trump Xi China

Trump ameaça China. “Não precisamos deles, esta é uma grande oportunidade”

Emmanuel Macron, presidente francês. Fotografia: Direitos Reservados

Fogos na Amazónia: França e Irlanda ameaçam bloquear acordo com Mercosul

O ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, intervém durante uma conferência de imprensa para fazer o ponto de situação sobre a crise energética, no Ministério do Ambiente e da Transição Energética, em Lisboa, 13 de agosto de 2019. JOÃO RELVAS / LUSA

Ministro do Ambiente: “Há cada vez mais condições” para que greve não aconteça

Outros conteúdos GMG
CGD vai encolher e nem todos os cantos do país terão uma agência