ba

CGD vai vender um dos dois bancos que tem em Cabo Verde

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA
O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD), Paulo Macedo Fotografia: ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai vender um dos dois bancos que tem em Cabo Verde, para diminuir a sua operação naquele país africano.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) vai vender um dos dois bancos que tem em Cabo Verde, para diminuir a sua operação naquele país africano, disse esta sexta-feira o presidente executivo, Paulo Macedo.

Em conferência de imprensa, em Lisboa, Paulo Macedo disse que foi acordado com a Comissão Europeia “alienar um dos dois bancos” que a CGD tem em Cabo Verde, adiantando que não está decidido qual será, isto é, se o Banco Interatlântico ou o Banco Comercial do Atlântico. Em ambos, a CGD tem uma participação maioritária.

O gestor disse ainda que o objetivo em relação a Cabo Verde é racionalizar a operação, ficar concentrada num só banco, “mais do que procurar um encaixe significativo”.

“Mantemos uma presença forte em Cabo Verde”, afirmou.

Na quinta-feira, o Governo anunciou que a CGD irá manter o banco que tem em França, mas que irá reduzir as operações em Cabo Verde e em Moçambique.

Sobre a operação em Moçambique, Paulo Macedo disse que o objetivo é reduzir a participação no banco BCI para os 51% que já teve no passado, indo para isso falar com o seu parceiro naquele banco, o BPI.

Atualmente, a CGD tem mais de 60% e o banco BPI cerca de 35%.

Sobre a venda das operações em Espanha e na África do Sul, que já estão em curso, disse que decorrem os prazos para serem apresentadas propostas vinculativas.

Em junho, foi conhecido que o Governo selecionou os bancos espanhóis Abanca Corporación Bancaria (presente em Portugal com a marca Abanca, depois de ter comprado a operação do Deutsche Bank), o Banco de Crédito Social Cooperativo (constituído em 2014 por 32 caixas de aforro regionais, as chamadas’cajas’) e o fundo de investimento norte-americano Cerberus European Investments para apresentarem propostas vinculativas para a compra do banco da CGD em Espanha.

Já na África do Sul, o Governo selecionou quatro entidades, das quais dois consórcios, à compra do Mercantile Bank.

Sobre a venda da operação no Brasil, o presidente executivo da CGD disse que em breve será divulgado um calendário para a venda, mas também avisou que “haver calendário depende de haver procura”. A difícil situação económica e política do Brasil dificulta a alienação.

Quanto à sucursal de França (que tem 48 agências e mais de 500 trabalhadores), Macedo disse que ter conseguido que permanecesse aberta é o resultado de cinco meses de negociações e da boa execução do plano de reestruturação do banco público.

Contudo, reafirmou que o banco em França tem de ser “rentável e sustentável”.

Questionado sobre se está prevista redução de trabalhadores em França, negou: “Não está prevista qualquer redução de pessoas, mas prevista a continuação do negócio”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira (E), e a ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D). Fotografia: ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Governo deixa cair referencial geral para aumento de salários

Elisa Ferreira, António Costa. Fotografia: Álvaro Isidoro/Global Imagens

Elisa Ferreira. Minas de lítio têm de “compensar impacto ambiental”

Iberdrola

Iberdrola investe 200 milhões em projetos eólicos no Alto Tâmega

CGD vai vender um dos dois bancos que tem em Cabo Verde