Como criar a sua própria conta offshore

Offshores em relatório
Offshores em relatório

Viajar até às ilhas Caiman ou Bahamas com dinheiro numa mala para fazer um depósito numa conta offshore, é uma imagem digna de qualquer filme de acção e suspense de Hollywood. Mas a verdade é que o processo é bastante mais simples, e nem sequer precisa de sair do país.

Criar uma conta offshore implica um procedimento em tudo semelhante ao aplicável à abertura de uma conta bancária junto de um banco nacional (como seja, por exemplo, o fornecimento de dados pessoais, informação sobre a origem dos fundos, etc).

E como é tributada? As pessoas singulares residentes para efeitos fiscais em Portugal estão sujeitas ao princípio da tributação universal, ou seja, têm de declarar anualmente a totalidade dos seus rendimentos onde quer que os obtenham. Para este efeito, e no que diz respeito aos rendimentos de capitais decorrentes da dita conta offshore (juros por regra), estes são tributados em IRS à taxa final de 21,5% excepto quando o titular opte pelo respectivo englobamento, caso em que os rendimentos estarão sujeitos às taxas progressivas do IRS até 46,5% (acrescida em 2011 de uma sobretaxa de 3,5%).

E quais as motivações para abrir uma conta no exterior? As pessoas tendem a abrir as contas, seja nos paraísos fiscais ditos clássicos seja em países mais “respeitáveis” como a maioria dos países europeus, pela diversificação do risco (risco país por exemplo); protecção patrimonial; ou questões familiares.

A escolha da jurisdição varia bastante, sendo na maior parte dos casos determinada não tanto por motivos fiscais, mas mais por sugestão do banco escolhido (por exemplo, a oferta de produtos bancários atractivos onde obviamente a componente fiscal foi tida em conta pela própria instituição bancária), ou por questões de confiança na solidez de uma instituição ou país.

Ou seja, ter uma conta offshore não é ilegal e é tão simples como ter uma conta considerada normal. O problema é quando o cliente não declara os rendimentos obtidos, ou tem a conta não em nome próprio, mas em nome de sociedades mais ou menos fictícia e movimenta o dinheiro de uma forma menos própria ou lícita, mandando por isso a prudência que se informe primeiro sobre quais os deveres legais e fiscais que devem ser cumpridos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Robin Wright, fotografada por Peter Lindbergh. Fotografia: D.R.

Pirelli. O calendário volta a surpreender

Comissária Cecilia Malmstrom Foto: REUTERS/Jason Lee

Negociações sobre acordo comercial UE/EUA “não falharam”

francesinha IKEA

IKEA. E os suecos renderam-se à francesinha

Apple instalou-se na Irlanda em outubro de 1980. Fotografia: REUTERS/Clodagh Kilcoyne

Irlanda recusa os 13 mil milhões da Apple. Entenda porquê

Os 22 melhores hotéis portugueses por menos de 120 euros

22 hotéis portugueses que tem mesmo de visitar

fotografia: REUTERS/Thomas Peter

Como aumentar qualidade e eficiência num só passo

Conteúdo Patrocinado
Como criar a sua própria conta offshore