Mercados

Como está o mundo 10 anos depois da crise do subprime?

Wall Street em terreno negativo

Começou nos EUA, estendeu-se à Zona Euro. Obrigou ao resgate de Portugal. A crise do subprime começou há 10 anos e mudou o mundo para sempre.

A dúvida impõe-se: Como está o mundo 10 anos depois da crise do subprime? Diferente, melhor mas pouco, estabilizado mas com sérios riscos para o futuro. As opiniões dos economistas e analistas financeiros dividem-se e o entusiasmo no momento em que se assinalada uma década do início da recessão mundial é, de facto, muito moderado.

Tudo começou a 17 de julho de 2007. Este foi o dia, há quase 10 anos, em que foi dado o primeiro alerta aos mercados por parte do banco de investimento norte-americano Bear Stearns. Nesse preciso momento, dois fundos de investimento geridos pelo gigante financeiro entraram em quebra irreversível, incapazes de garantir o reembolso do dinheiro investido pelos clientes. O seu valor era zero. Wall Street ignorou as evidências, apesar de o banco ter admitido a falência dos fundos com exposição ao famoso subprime, as hipotecas de alto risco do mercado imobiliário dos Estados Unidos que se tornaram populares com base em taxas de juro demasiado baixas.

Na década anterior, ao longo dos anos 90, as pessoas com menores rendimentos e pior avaliação de risco ao crédito puderam realizar sucessivas hipotecas sobre os seus imóveis, com vista ao crédito ao consumo, o que alimentou uma enorme bolha no mercado imobiliário e deu origem a uma recessão mundial só comparável à Grande Depressão de 1929.

Seguiu-se a aparatosa queda do Lehman Brothers em 2008 e a partir daí gerou-se uma onda de pânico que levou o Tesouro americano a socorrer os gigantes de Wall Street para evitar um iminente colapso do sistema financeiro mundial. Este foi apenas o início de uma crise de proporções épicas que pôs a nu todas as fragilidades de um sistema financeiro apodrecido que durante anos assumiu riscos de forma descontrolada e procurou lucrar ao máximo, inundando a banca mundial com ativos tóxicos. A crise bancária depressa chegou ao outro lado do Atlântico, onde se manifestou ainda com maior intensidade e se transformou, na Zona Euro, numa crise da dívida soberana, expondo os países mais débeis financeiramente, Portugal incluído, e pondo mesmo em risco a sobrevivência da moeda europeia.

Agora, 10 anos depois, como está o mundo depois da crise do subprime? Para já, os efeitos políticos estão à vista, com o renascimento do populismo, espelhado na eleição de Donald Trump e na decisão do Reino Unido em abandonar a União Europeia, dois marcos recentes que trouxeram mais incerteza ao futuro. Mas apesar de ter passado uma década, são muitas as questões que ainda persistem: A banca está mais regulada ou ainda corre risco de um novo colapso? Os investimentos especulativos foram travados? Quando será possível uma união bancária na Zona Euro? Como serão os próximos 10 anos? A China representa o próximo grande risco a nível global?

Diferente, melhor mas pouco, com sérios riscos para o futuro

Na opinião do economista João Duque, “o mundo está diferente”. “ Há uma consciência maior dos riscos do mundo financeiro e de que há questões de natureza ética fundamentais. No entanto, há uma massa monetária extraordinariamente maior e com muito dinheiro há mais espaço para asneira. Temo que uma bolha das moedas tipo bitcoin venha a ser uma dessas asneiras”, diz o professor do ISEG – Lisboa School of Economics and Management.

O especialista garante que a banca está hoje mais regulada e que os reguladores foram responsabilizados, faltando ainda concretizar a união bancária e a união do mercado de capitais na Europa. “Serão implementadas”, garante, acrescentando: “O euro veio para ficar e temos de o defender mesmo que isso exija mais integração e perda de soberania. E nunca resolveremos todas as crises. Nem nacionalizando a banca toda conseguimos eliminar o risco financeiro”. Sobre os investimentos bancários mais especulativos, João Duque diz que não foram erradicados, já que “há sempre investidores que gostam deles e deve haver oferta, pois se não os encontrarem dentro do sistema irão procurá-los fora… e isso é pior”.

Olhando para o futuro, e para a China, João Duque lembra que o gigante asiático “é uma carta diferente neste jogo”. “Tem os quatro maiores bancos do mundo, detém as maiores reservas de dólares, é dos maiores investidores internacionais e a segunda maior economia do mundo. Não queremos problemas vindos de lá”.

“O mundo está melhor, mas pouco”, é a avaliação feita por João Pereira Leite, diretor de investimentos do Banco Carregosa. “A estabilização do sistema financeiro foi essencial, mas implicou mais endividamento público. Hoje a economia cresce a um ritmo lento e, apesar de todos os estímulos monetários em curso, revela ainda uma evidente dificuldade em subir a inflação para os níveis recomendados, fruto do excesso de dívida e da falta de investimento”, diz o analista.

No sistema bancário, garante, mudou muita coisa: está mais capitalizado, mais dependente dos bancos centrais, a sua atividade está mais segmentada e controlada, a relação com os clientes tem um regime de maior garantia de independência. Por comparação, em termos de capitalização “a banca europeia já se capitalizou bastante, mas ainda está aquém da banca dos EUA”, refere, sugerindo que “é natural que ainda venhamos a assistir a mais aumentos de capital em bancos europeus”. Ao BCE e outros bancos centrais o analista atribui um papel “absolutamente crítico” pois “sem a sua intervenção a crise de 2008 teria sido um desastre igual ou pior do que a crise de 1929”.

Do lado dos desafios que ainda persistem na Europa, “caminhamos muito lentamente para uma união fiscal e bancária”, diz o analista, defendendo que “os países com superavit da balança de pagamentos e que beneficiam de um euro demasiado baixo (face às suas economias), deveriam mudar de regime e distribuir rendimento pelos agentes económicos por forma a poderem ajudar os países do sul com estímulos externos que compensem a austeridade interna a que se submeteram”.

Sobre a China, o analista diz que o gigante asiático tem vindo a recorrer a crédito para ultrapassar as dificuldades de transição de um modelo económico assente no investimento público e em exportações para um modelo mais próximo do ocidental (em que o consumo privado é a maior rúbrica do PIB) e isso gerou um desequilíbrio interno que terá que ser resolvido. “Concordo que este processo de transição será talvez o maior risco ao crescimento mundial neste ciclo económico”, explica.

Apesar de uma situação financeiramente estabilizada, com as principais economias a crescer e a gerar emprego, Filipe Garcia, presidente da IMF – Informação de Mercados Financeiros, sublinha que ainda “há sérios riscos para o futuro”. “A abordagem para debelar a crise foi a da injeção monetária. A prazo, isto pode pagar-se caro. Os bancos centrais têm apostado na criação de moeda como resolução para os efeitos da crise, o que poderá ter consequências no momento da retirada dos estímulos”, refere o especialista.

Numa análise à Zona Euro nestes 10 anos após a crise, Filipe Garcia diz que “aguentou o seu primeiro grande teste, que foi a crise da dívida de 2010/2012”. “Hoje é mais ou menos claro que não poderá haver euro no longo prazo sem alguma união orçamental, partilha de riscos e subsidiariedade pelo menos em parte da dívida pública”. Sobre o futuro, o analista acredita “que se irá assistir a uma tentativa de controlo da moeda por parte dos bancos centrais e dos governos, que irão tentar limitar a utilização da moeda física, mas não é certo que consigam sempre vencer”.

A visão mais positiva pertence a Diogo Teixeira, CEO da Optimize Investment Partners, que destaca os novos máximos de confiança para valores que já não eram vistos há mais de uma década. “Vários bancos centrais nacionais, mas também o BCE e o Eurostat, reavaliaram positivamente as suas previsões de crescimento para 2017 e para os anos seguintes”, sublinha. Na banca, o novo paradigma de regulação permitiu “reforçar a almofada de capital das instituições financeiras para absorver perdas 2 a 3 vezes superiores”. Com o fim deste “longo processo de adaptação do setor” à vista, no caso de uma nova crise “as consequências para o setor financeiro seriam muito menores”, diz o analista.

“É provável que a próxima crise tenha contorno muito diferentes. A China é sem dúvida um candidato potencial. Mas as economias ocidentais também têm de superar alguns desafios, como o impacto da normalização das taxas de juros que trará consequências para o setor segurador ou para os orçamentos dos Estados”.

Portugal no bom caminho?

Em Portugal, a onda de choque do subprime levou à falência de vários bancos, obrigou a um pedido de resgate e a pesadas medidas de austeridade, que culminaram com a queda do governo de Passos Coelho. Como está o país agora no momento em que se assinalam os 10 anos da crise do subprime? “No que respeita ao mercado de capitais continua exíguo e a crise apenas precipitou mais empresas para fora do mercado. Quanto à banca, é um problema a resolver-se. Embora (espero) o pior tenha passado”, diz o economista João Duque. Na sua opinião, está ainda por resolver o crédito mal parado, o redimensionamento da atividade bancária face aos recursos humanos que ainda usa e uma atualização do modelo de negócio que vai passar por ser mais virtual. No que respeita ao mercado de capitais, sublinha a captação de novas empresas.

A nível económico, diz o professor, Portugal tem indicadores que têm melhorado trimestralmente, embora a economia esteja a ser puxada pela procura externa (bens e serviços, nomeadamente turismo). “O investimento recusa-se a dar sinais de dinamismo e a procura de emprego está longe de ser nos setores que mais desejávamos”.

Por seu lado, João Pereira Leite, diretor de investimentos do Banco Carregosa, diz que Portugal “melhorou a muitos níveis (défice, desemprego, crescimento), mas continua com um rácio de dívida/PIB muito elevado”. “O excesso de endividamento público (e privado) continua a ser uma limitação ao crescimento e a sua descida é fundamental para recuperar a confiança dos agentes económicos”, refere o analista, defendendo que “a banca está finalmente capitalizada e as instituições financeiras que ainda precisam de capital já não têm relevância no crédito em Portugal”.

A nível económico, garante, as expectativas são boas, sobretudo o facto do investimento privado ter subido em 2016 e do investimento público reaparecer em 2017, “são dois fatores que alimentam a expectativa de que a recuperação pode ser mais sustentada”.

Diogo Teixeira, CEO da Optimize Investment PartnersOptimize, não tem dúvidas: “A situação económica portuguesa está, sem qualquer dúvida, muito melhor do que aquela que prevalecia antes da crise”. No entanto, refere “ainda temos duas instituições que, à data, ainda não resolveram as suas situações de capital, o Novo Banco e o Montepio”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, Mário Centeno (D), durante o debate parlamentar de discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020), esta tarde na Assembleia da República, em Lisboa, 09 de janeiro de 2020. MIGUEL A. LOPES/LUSA

Subida do PIB em 2019 chega aos 2,2% com revisão nas exportações de serviços

Foto - Leonardo Negrao

Deco: seguros de saúde não cobrem coronavírus, seguros de vida sim

Foto: D.R.

Easyjet. Ligações de Portugal com Itália não serão afetadas, por enquanto

Como está o mundo 10 anos depois da crise do subprime?