banca

Concentração na banca é maior em Portugal do que na área do Euro

(Leonardo Negrão / Global Imagens)
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

O Banco de Portugal divulgou hoje um relatório e uma base de dados com uma análise da banca em Portugal nos últimos 30 anos.

Portugal regista um nível de concentração no setor da banca maior do que o observado no conjunto da área do euro.

Esta é uma das conclusões do relatório divulgado esta terça-feira pelo Banco de Portugal com ‘Séries Longas – Setor Bancário Português 1990-2018’ que analisa a evolução do setor da banca no país.

De acordo com o relatório, desde 1990, verificou-se um aumento de concentração do sistema bancário português. “Esta evolução foi particularmente evidente na década de 90, tendo sido reforçada em dois períodos em que se verificaram importantes operações de fusão e aquisição – 1995 e 2000”, destaca.

“Ao longo do período para o qual existe informação comparável, Portugal apresenta um nível de concentração superior ao da área do euro, o que poderá ser explicado pelo facto dos países mais pequenos tenderem a ter níveis de concentração mais elevados”, adianta.

Da análise, conclui-se que “os anos de 1995 e 2000 são identificados como dois momentos em que se verificou uma expressiva subida da concentração”.

“Recorde-se que, por um lado, em 1995, verificou-se a aquisição do Banco Português do Atlântico (BPA) pelo Banco Comercial Português (BCP), os quais passaram a consolidar, apesar do
BPA só ter sido extinto em 2000”, salienta.

“Por outro lado, em 2000, verificaram-se várias aquisições relevantes no setor, nomeadamente: do Banco Pinto & Sotto Mayor (BPSM) e do Banco Mello pelo BCP; do Banco Totta & Açores (BTA) e do Crédito Predial Português (CPP) pelo Santander; do Banco Chemical pela Caixa Geral de Depósitos (CGD). Refira-se que nos anos seguintes a 1995 e 2000, esses aumentos foram parcialmente revertidos”, frisa.

Nos últimos anos, entre outras operações de consolidação no setor em Portugal, nota para o Santander, que foi protagonista em duas operações, ao absorver o Banif e o Banco Popular.

Atualizada às 13h16 com mais informação

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Concentração na banca é maior em Portugal do que na área do Euro