cpi cgd

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”

O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA
O ex-governador do Banco de Portugal (BdP), Vítor Constâncio, fala perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República. TIAGO PETINGA/LUSA

O antigo presidente da CGD diz que não executou o contrato de Berardo para preservar a estabilidade financeira.

Faria de Oliveira, antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos, afirmou esta segunda-feira no Parlamento que não executou o crédito de Berardo para preservar a estabilidade financeira e que o Banco de Portugal poderia ter alertado o banco público para o risco dessa operação. Mas esta terça-feira, Vítor Constâncio indicou que a lei não previa que o supervisor pudesse fazer esse tipo de alerta e de gestão.

“Percebo o que foi dito mas é um problema interno da CGD. A gestão do contrato cabe a quem fez o contrato e o Banco de Portugal não pode interferir nessa gestão”, considera Constâncio. Faria de Oliveira tinha defendido que se tivesse executado as garantias do crédito de 350 milhões a Berardo colocaria em causa a estabilidade financeira. Isso implicaria a penhora e a venda de cerca de 8% das ações do BCP em 2008, numa situação de crise financeira que desvalorizaria os títulos em garantia e poderia ameaçar o sistema financeiro.

Mas Constâncio argumenta que o Banco de Portugal não poderia estar envolvido nessa gestão. O antigo governador explica o que foi feito pelo supervisor. “Quando teve conhecimento e quando as bolsas começaram a cair o que se fez foi o que são os poderes do supervisor: recomendar o reforço de garantias e que se constituíssem as provisões para as perdas potenciais”.

O antigo governador considera que as condições legais para autorizar a participação qualificada de Berardo estavam “expressamente definidas”. Constâncio garantiu que os serviços do Banco de Portugal fizeram uma avaliação que concluiu que a Fundação Berardo era idónea e tinha solidez financeira.

“Operações de financiamentos para a compra de ações são comuns e ainda hoje existem”, disse Constâncio. Defendeu que o supervisor não pode influenciar decisões de crédito nem obrigar a rever contratos que estejam em vigor. “O que pode fazer é identificar riscos e obrigar a reforçar provisões”, concluiu.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Lisboa,  29/09/2020 - Ursula Von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia.
(Paulo Alexandrino/Global Imagens)

Ursula von der Leyen. “Portugal é único e tem agora oportunidades maravilhosas”

Portugal's Prime Minister Antonio Costa speaks during presentation of the European and Portuguese Recovery and Resilience Plans, at Champalimaud Foundation, in Lisbon, Portugal, 29 September 2020. Ursula Von Der Leyen is in Lisbon for a two-day official visit. MÁRIO CRUZ/LUSA

Portugal recorrerá só a subvenções. Empréstimos só quando situação melhorar

ANTONIO COTRIM/ LUSA

Von der Leyen: Instrumento “SURE é um escudo para os trabalhadores e empresas”

Constâncio: Risco para a estabilidade no crédito a Berardo era “problema da CGD”