crédito ao consumo

Crédito ao consumo dispara 15% em outubro

(DR)
(DR)

Foi concedido um total de 639 milhões de euros em novo crédito ao consumo no mês de outubro, um aumento de 15% face a setembro.

O volume de novo crédito ao consumo disparou 15% em outubro, em termos mensais, atingindo os 639 milhões de euros.

O crédito pessoal teve um aumento de 14%, tendo sido concedido um total de 268 milhões em novos empréstimos.

Desde o início do ano, foram já concedidos empréstimos ao consumidor no valor global 6.088 milhões de euros, mais 673 milhões de euros do que em igual período de 2017, segundo dados divulgados esta segunda-feira pelo Banco de Portugal.

Este é um máximo anual de, pelo menos, seis anos, de acordo com os dados disponibilizados pelo regulador bancário.

Em termos homólogos, o novo crédito ao consumo aumentou 2,5% em outubro.

O número de novos contratos cresceu 12,4% para 135.860, correspondendo a uma subida homóloga de 1,8%.

O recurso ao crédito por parte de particulares tem vindo a aumentar, tanto para a compra de habitação como para consumo.

Para travar a procura de crédito, o Banco de Portugal anunciou a 1 de fevereiro que iria começar a implementar novas regras para a concessão de novos empréstimos.

A medida macroprudencial, aplicável aos contratos celebrados a partir de 1 de julho de 2018, abrange todas as instituições de crédito e sociedades financeiras.

Não é só a concessão de novo crédito que sobe em outubro. Nesse mês, deu-se uma inversão da tendência no incumprimento no crédito, por parte das famílias portuguesas, tanto no caso dos empréstimos à habitação como ao consumo.

No crédito ao consumo, 12,1% das famílias estavam em falta com o pagamento do crédito, em outubro, mais 0,3 pontos percentuais do que em setembro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

Sete dos créditos de risco da CGD tiveram perdas de 100%

(Rui Oliveira / Global Imagens)

Quota de mercado dos carros a gasóleo cai para mínimos de 2003

Operadores da Groundforce onde a operação da empresa de ‘handling’ Groundforce inclui números como cinco minutos e 400 toneladas, mas também o objetivo de chegar ao fim de 2019 com 3.600 colaboradores, aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, 22 de janeiro de 2018. Para que os aviões estejam no ar, a Groundforce faz toda a assistência em terra, excetuando o fornecimento de comida e de combustível, como resume o presidente executivo da empresa, Paulo Neto Leite, numa visita guiada aos ‘bastidores’ do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. MÁRIO CRUZ/LUSA

Com o aeroporto de Lisboa “no limite”, Groundforce exige à ANA que invista já

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Crédito ao consumo dispara 15% em outubro