Endividamento

Crédito ao consumo duplicou em cinco anos

Fotografia: REUTERS/Bobby Yip
Fotografia: REUTERS/Bobby Yip

Na primeira metade do ano, as instituições financeiras deram mais de 20 milhões por dia em crédito aos consumidores.

O crédito aos consumidores bateu recordes na primeira metade do ano. Foram concedidos quase 3,7 mil milhões de euros em empréstimos pessoais, mais de 20 milhões por dia, para a compra de carro e para cartões de crédito e descobertos bancários, segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal. As instituições financeiras concederam mais 557 milhões para o consumo que no mesmo período do ano passado. Em cinco anos o ritmo do crédito aos consumidores mais que duplicou.

O supervisor tem alertado nos últimos tempos que “os empréstimos para consumo e outros fins continuam a aumentar a um ritmo elevado “. E avisou no último Relatório de Estabilidade Financeira, por exemplo, que “esta dinâmica de recuperação do crédito a particulares ocorre num quadro de ainda elevado endividamento no contexto europeu. Assim, a capacidade de serviço da dívida pelos particulares permanece especialmente sensível a choques adversos sobre o rendimento e à variação das taxas de juro de mercado”.

A explicação para a subida da procura por este tipo de crédito está relacionada com “a confiança dos consumidores, a despesa em bens duradouros e o nível geral baixo das taxas de juro. Continuam a dar um contributo positivo para a procura líquida de crédito ao consumo e outros empréstimos às famílias”, concluiu o supervisor com base nos inquéritos feitos aos bancos que atuam em Portugal.

E não é apenas a procura por crédito ao consumo a aumentar. Do lado da oferta, também os bancos e outras instituições financeiras especializadas neste segmento têm demonstrado mais apetite por emprestar. Até porque é um segmento com juros mais altos o que dá maior margem financeira à banca. “O crescimento do crédito ao consumo poderá, em parte, refletir a maior concorrência no segmento do mercado de crédito a particulares em que as taxas de juro são mais elevadas”, diz o Banco de Portugal. Além disso, o supervisor nota que têm entrado novas entidades no mercado português de crédito ao consumo.

A subida no crédito ao consumo, e também a maior facilidade na concessão de empréstimos á habitação, levaram o Banco de Portugal a recomendar os bancos a seguirem regras mais apertadas na hora de financiar os particulares. Essas limitações que incidem sobre os prazos e a taxa de esforço, por exemplo, apenas entraram em vigor no mês de julho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Gerardo Santos/Global Imagens

Saídas para a reforma disparam 43% na função pública

Foto: DR

EDP flexibilizou pagamento de faturas no valor de 60 milhões de euros

Carteiros

CTT vão entregar cartão de cidadão em casa. Piloto arranca em Oeiras

Crédito ao consumo duplicou em cinco anos