Consumo

Crédito ao consumo subiu 27,8% em julho face ao mês anterior

Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens
Cartões de crédito e débito. Fotografia: Global Imagens

Dos 537,2 milhões de euros contratados em julho, 282,5 milhões são referentes a crédito automóvel e 181,1 milhões a crédito pessoal.

Os portugueses contrataram mais de 100 mil novos créditos em julho no valor total de 537,2 milhões de euros. São mais 116,8 milhões de euros do que no mês anterior, o que representa um aumento de 27,8%. O crédito automóvel, para compra de veículos usados, e o crédito pessoal, sem finalidade específica, lideram o crescimento.

Os dados são do Banco de Portugal e mostram a evolução dos novos créditos aos consumidores no mês de julho. Na comparação com julho de 2019, a tendência é de quebra, com uma redução de 22,1%, correspondente a menos 152,6 milhões de euros de novos contratos.

E se na comparação com o período homólogo, só os contratos de locação financeira ou ALD para compra de carros usados é que crescem, o cruzamento de dados de julho face a junho mostra um aumento em todos os tipos de contratos de crédito.

Assim, e em termos absolutos, dos 537,2 milhões de euros de novos créditos contratados em julho, o maior crescimento é no crédito automóvel com reserva de propriedade para usados, num total de 181,2 milhões de euros, mais 32,5 milhões de euros do que em julho. Seguem-se os créditos pessoais sem finalidade específica, num total de 174,6 milhões de euros, mais 35 milhões do que no mês anterior. Aqui se incluem os créditos para o lar e consolidado, entre outros.

O crédito pessoal totalizou 181,1 milhões de euros dos novos contratos realizados em julho, dos quais só 6,6 milhões se destinaram a educação, saúde, energias renováveis ou locação financeira de equipamentos. Já o crédito automóvel, nas suas várias vertentes, foi responsável por 282,5 milhões de euros de novo financiamento em julho.

Destaque, ainda, para os 73,5 milhões de euros dos cartões de créditos, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto, um valor que é 18,8 milhões mais alto do que o verificado no mês anterior. Em termos percentuais, o crescimento foi de 34,3%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(João Silva/ Global Imagens)

Estrangeiros compraram menos casas em Portugal em 2019. Preço por imóvel subiu

dgs covid portugal coronavirus

Mais cinco mortos e 463 infetados por covid-19 em Portugal

Crédito ao consumo subiu 27,8% em julho face ao mês anterior