Banco de Portugal

Crédito malparado das famílias mantém-se de julho para agosto

Malparado cresce

O rácio de crédito vencido concedido às famílias e a percentagem de devedores com crédito vencido mantiveram em agosto os valores de julho

O rácio de crédito vencido concedido às famílias e a percentagem de devedores com crédito vencido mantiveram em agosto os valores de julho, 4,5% e 12,8%, respetivamente, divulgou esta terça-feira o Banco de Portugal (BdP).

Em agosto, os empréstimos concedidos a particulares (famílias e instituições sem fins lucrativos de apoio às famílias) totalizaram os 125,896 mil milhões de euros, menos 0,6% do que no mesmo mês do ano passado.

Em relação ao mês anterior, os empréstimos concedidos aumentaram 36 milhões de euros.

O rácio de crédito vencido das famílias situou-se em 4,5% em agosto, igual ao verificado em julho, assim como a percentagem de devedores com crédito vencido, que se manteve nos 12,8%.

Às empresas, foram emprestados 75,031 mil milhões de euros, menos 3,1% do que um ano antes e menos 67 milhões de euros do que em julho.

O rácio de crédito vencido das sociedades não financeiras foi de 14,8%, menos 0,1 pontos percentuais do que em julho e a percentagem de devedores com crédito vencido aumentou 0,4 pontos percentuais, fixando-se em 26,9%.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro ministro, António Costa, fala aos jornalistas durante a conferência de imprensa realizada no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 04 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA / POOL/LUSA

Governo vê economia a crescer 4,3% em 2021 e desemprego nos 8,7%

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, durante a conferência de imprensa após a reunião extraordinária da Comissão Permanente de Concertação Social por video-chamada, no Ministério da Economia, em Lisboa, 16 de março de 2020. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Segunda fase do lay-off custa mais de 700 milhões de euros

Jorge Rocha de Matos, presidente da Fundação AIP. Foto: direitos reservados

Rocha de Matos: IVA devia ser de 6% em todos os eventos para ajudar o turismo

Crédito malparado das famílias mantém-se de julho para agosto