crédito

Crédito sobe para 1451 milhões em março, taxas de juro caem

Finanças pessoais: Dívidas com cartões de crédito, poupar para a reforma, roubo de identidade e enormes custos com o seguro de saúde são alguns dos problemas.

Trata-se de uma aceleração na concessão de crédito. Os portugueses já pediram 2.351 milhões de euros para compra de casa desde o início deste ano.

As novas operações de crédito concedido para compra de habitação e consumo subiram em março, totalizando os 1.451 milhões de euros, enquanto as taxas de juro médias desceram.

A continuar a este ritmo, 2019 será o ano mais forte da década em termos de concessão de crédito a particulares em Portugal.

Os novos empréstimos à habitação aumentaram para 870 milhões de euros, de 734 milhões de euros em fevereiro. No crédito ao consumo e para outros fins, as novas operações subiram para 581 milhões de euros, face aos 528 milhões de euros registados no mês anterior.

Trata-se de uma aceleração na concessão de crédito. Os portugueses já pediram 2.351 milhões de euros para compra de casa desde o início deste ano. É o montante mais alto desde 2010.

No crédito ao consumo, o endividamento dos particulares soma 1.092 milhões de euros nos primeiros três meses deste ano, com o montante de empréstimos para outros fins a ascender a 488 milhões de euros.

“Nas novas operações de crédito a particulares para habitação, a taxa de juro média diminuiu 1 ponto base (pb), para 1,36%. No crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias foram, respetivamente, de 7,13% e 3,62%”, adianta o Banco de Portugal numa nota de informação estatística divulgada esta terça-feira.

Desde julho de 2018 que estão em vigor recomendações do Banco de Portugal para os bancos apertarem as condições de concessão de crédito à habitação e ao consumo. Mas a concorrência entre os bancos tem levado a uma descida das taxas de juro oferecidas nos novos contratos. Há bancos a garantir um spread de 1%.

No último Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito que o Banco de Portugal divulgou, os bancos não esperam uma alteração na procura nem nas condições para a concessão de crédito no segundo trimestre.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Crédito sobe para 1451 milhões em março, taxas de juro caem