Criptomoedas

Criptomoedas: apenas 1 em 10 pessoas sabe como funcionam

REUTERS/Dado Ruvic
REUTERS/Dado Ruvic

A taxa de adoçao das moedas virtuais a nível global está a abrandar, apesar de haver celebridades, como o ator Johnny Depp, a utilizá-las.

Um estudo da empresa de cibersegurança Kasperky concluiu que apenas uma em 10 pessoas compreende como funcionam as criptomoedas e a taxa de adoçao das moedas virtuais a nível global está a abrandar.

A falta de conhecimento sobre as moedas virtuais – como a bitcoin – e a confiança são os principais fatores que impedem os consumidores de as utilizar, segundo o mesmo estudo. Nem o facto de celebridades, como o ator Johny Depp,, utilizarem criptomoedas ajuda a acelerar a sua utilização.

“Muitos dos consumidores ainda conhecem pouco acerca do funcionamento das criptomoedas e é este desconhecimento que faz com que elas não sejam adotadas pelo público geral. Desta forma, quatro em cinco pessoas – 81% – revelaram nunca ter adquirido criptomoedas, o que nos mostra o quão distantes ainda estamos de aceitar as criptomoedas enquanto uma forma de pagamento comum”, refere um comunicado sobre as conclusões do estudo, divulgado esta terça-feira.

“Enquanto o interesse em criptomoedas pode parecer ter atingido o seu pico, a verdade é que ainda existe uma procura por esta tecnologia. Um quinto – 20% – dos inquiridos afirmaram que, apesar de não estarem a usar, de momento, criptomoedas, gostariam de usá-las no futuro”, adianta.

Vitaly Mzokov, responsável da área de comércio da Kaspersky, aconselha, citado no comunicado, que “se os consumidores querem trocar ou negociar os seus bens de criptomoedas, devem prestar atenção à segurança das credenciais da sua conta”.

“Se tiverem em mente investimentos a longo prazo ou utilizarem as criptomoedas para pagamentos, devem guardá-las num ambiente seguro e utilizar várias wallets ou, ainda, distribuí-las entre o software e o hardware”, adianta.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Foto: REUTERS/Rafael Marchante

Portugal entre os países europeus que ficaram mais desiguais

Angel Gurria, secretário-geral da OCDE. Fotografia: EPA/Mario Guzmán

OCDE mais pessimista. Sinais vermelhos para a economia

Outros conteúdos GMG
Criptomoedas: apenas 1 em 10 pessoas sabe como funcionam