banca

DBRS mantém rating positivo do Santander Totta

dbrs-1060x594

A agência canadiana DBRS reafirmou esta segunda-feira os 'ratings' de longo prazo do Santander Totta em 'A', avançou o banco em comunicado.

A agência canadiana DBRS reafirmou esta segunda-feira os ‘ratings’ de longo prazo do Santander Totta em ‘A’, avançou o banco em comunicado.

A agência reafirmou ainda os ‘ratings’ de curto prazo em ‘R-1’ (baixo), “mantendo a perspetiva para ambos os ‘ratings’ como estável”, lê-se na mesma nota.

O Santander Totta recordou que, em abril, “a agência tinha feito um ‘upgrade’ dos ‘ratings’ de longo prazo, que passaram na altura de ‘A’ low [baixo] para ‘A'”.

A instituição salientou ainda que a DBRS referiu “o papel importante que o Santander Totta desempenha enquanto subsidiária do Santander”, salientando que “com a aquisição do Banco Popular Portugal, o Santander solidificou a sua posição como banco número dois em Portugal”.

O banco lembrou também que as atuais notações de ‘rating’ da dívida de longo prazo, “em comparação com os níveis da República Portuguesa são as seguintes: ‘Fitch — BBB+’ (Portugal — ‘BBB.); Moody’s — ‘Baa3’ (Portugal — ‘Baa3’); S&P — ‘BBB-‘ (Portugal — ‘BBB-‘); e DBRS — ‘A’ (Portugal — ‘BBB’)”.

Em 12 de outubro, a DBRS informou que mantinha o ‘rating’ atribuído a Portugal em ‘BBB’, com perspetiva estável, depois de em abril ter melhorado a notação financeira de ‘BBB’ (baixo).

“A confirmação da perspetiva estável reflete a visão da DBRS que os riscos para a notação estão amplamente equilibrados”, referiu a agência de ‘rating’ em comunicado, salientando que, “embora moderado na primeira metade de 2018, quando comparado com 2017, projeta-se um crescimento real do PIB [Produto Interno Bruto] de 2,3% para o ano completo, acima da média da zona euro”.

De acordo com a DBRS, o défice orçamental e o rácio da dívida relativamente ao PIB vão “continuar a diminuir” e o crédito malparado (NPL) dos bancos também está a recuar.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Caixa Geral de Dep—ositos -

CGD perdeu 1200 milhões em empréstimos de risco

Miguel Setas, presidente da EDP Brasil

EDP Brasil quer duplicar presença no país até 2020

Ricardo Mourinho Félix, secretário de Estado Adjunto e das Finanças. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Portugal não vai concorrer a vaga de topo no BCE, nem mexe na previsão do PIB

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
DBRS mantém rating positivo do Santander Totta