Poupança

Depósitos rendem 0,08%. É um novo mínimo de sempre

0. dinheiro_ notas

O Banco de Portugal divulgou esta terça-feira dados sobre taxas de juro nos depósitos.

O valor médio da taxa de juro dos novos depósitos bancários dos particulares, até um ano, caiu para 0,08% em outubro, fixando um novo mínimo histórico pelo sexto mês consecutivo.

“Os depósitos de particulares nos bancos residentes totalizavam 148,0 mil milhões de euros no final de outubro”, mantendo o valor registado no final de setembro, segundo dados divulgados esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

Também a taxa de juro média dos novos depósitos das empresas para o mesmo prazo também atingiu um novo mínimo de sempre nos 0,08%.

As taxas de juro estão em mínimos históricos, dada a política de baixas taxas de juro praticadas pelo Banco Central Europeu (BCE) para estimular o crescimento económico.

As taxas de juro irão permanecer mais baixas durante mais tempo devido à revisão em baixa das projeções de crescimento económico na área do euro e de persistência da inflação abaixo do objetivo. O BCE anunciou em setembro de 2019 um pacote de medidas de estímulo monetário. A redução das taxas de juro de médio e longo prazo indica que a Euribor só deverá retomar valores positivos num horizonte mais largo.

Segundo dados do supervisor, as famílias portuguesas têm cerca de 5% do seu rendimento disponível aplicado em depósitos. Mas a taxa de poupança dos portugueses tem vindo a cair desde 2013 e atingiu em junho um dos valores mais baixos de sempre, sendo inferior à média da área do euro, segundo o Banco de Portugal.

O Banco de Portugal recusou a intenção dos bancos de cobrar comissões nos depósitos de grandes empresas, tal como o Dinheiro Vivo antecipou. Atualmente, os bancos já cobram por depósitos de outras sociedades financeiras.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
The World Economic Forum, Davos
Fabrice COFFRINI/AFP

Líderes rumam a Davos para debater a nova desordem mundial

Mário Centeno

Privados pedem ao Estado 1,4 mil milhões de euros em indemnizações

Luis Cabral, economista.
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Luís Cabral: “Pobreza já não é só ganhar 2 dólares/dia”

Depósitos rendem 0,08%. É um novo mínimo de sempre