Alemanha

Deutsche Bank admite recomprar dívida. Ações disparam

Sede do Deutsche Bank em Frankfurt. Fotografia: Kai Pfaffenbach / Reuters
Sede do Deutsche Bank em Frankfurt. Fotografia: Kai Pfaffenbach / Reuters

Esta será a forma encontrada pelo banco para acalmar a desconfiança dos investidores, que não acreditam que haja capacidade pagar algumas obrigações

O Deutsche Bank estará a considerar recomprar algumas das suas obrigações, noticia, esta quarta-feira, a Bloomberg. Depois de a notícia ter sido avançada, as ações do banco dispararam em bolsa.

Esta será a forma encontrada pelo maior banco alemão para acalmar a desconfiança dos investidores, que não acreditam que o banco seja capaz de pagar os cupões das obrigações com maior risco, este ano e no próximo.

Em causa estão as obrigações de capital contingente (as chamadas CoCos, que podem ser convertidas em ações caso o emitente enfrente dificuldades de capital). O Deustche Bank tem 1,75 mil milhões de euros emitidos em obrigações CoCo e os títulos estão a negociar abaixo dos 75 cêntimos de euro, depois de terem derrapado 19% este ano.

Entretanto, o CEO do Deutsche Bank já veio tranquilizar trabalhadores e investidores, dizendo que o banco está “mais do que sólido” e tem uma “forte” capitalização. Assim, assegurou John Cryan, o Deutsche Bank vai cumprir as obrigações, mesmo as de risco mais elevado.

O próprio ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, disse que não está preocupado com o Deutsche Bank. Mas todas as mensagens de tranquilidade têm sido ignoradas e, na terça-feira, o banco já acumulava uma perda em bolsa de quase 39% desde o início.

Mas esta possibilidade de uma recompra de obrigações está a animar os investidores. Esta manhã, as ações do Deutsche Bank dispararam mais de 4%, para 13,78 euros.

Ainda assim, e apesar de o banco ter capital disponível para recomprar as obrigações, a Bloomberg sublinha que ainda não foi tomada qualquer decisão. A avançar com esta medida, as obrigações CoCo ficariam de fora.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa. (Gonçalo Villaverde / Global Imagens)

Arrendamento vitalício só para quem vive há 25 anos na mesma casa

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Défice estabiliza em 377 milhões de euros no primeiro trimestre

Mario Draghi. Fotografia: REUTERS/Francois Lenoir

Draghi. Crescimento europeu está a perder alguma força

Outros conteúdos GMG
Deutsche Bank admite recomprar dívida. Ações disparam