deutsche bank

Deutsche Bank chega a acordo para multa sobre manipulação do preço da prata

EPA/FRANK RUMPENHORST
EPA/FRANK RUMPENHORST

Deutsche Bank chegou a acordo para pagar multa por manipulação das taxas de câmbio da prata

O Deutsche Bank vai enfrentar mais uma multa. Desta vez, o gigante alemão concordou pagar 38 milhões de dólares (35 milhões de euros) por manipulação dos preços do câmbio da prata, um caso que tem vindo a arrastar-se nos tribunais.

Desde abril que se aguardava um acordo em torno desta concertação de vários bancos para o estabelecimento do preço da praça, no entanto ainda não eram conhecidos os seus termos. Os papéis foram agora divulgados pelo tribunal federal de Manhattan e, de acordo com a Reuters, é visto pelos advogados como um “quebra-gelo” para que as outras instituições envolvidas também venham a pagar a sua fatia.

Vincent Briganti, que representa os investidores lesados, admite que o acordo com o Deutsche permite “uma substancial compensação monetária a que se junta a cooperação do banco para que se continue a avançar neste importante caso”.

O acordo agora atingido necessita ainda da aprovação do tribunal. Contactada pela Reuters, fonte oficial do Deutsche Bank recusou comentar o caso.

Os investidores acusam o Deutsche Bank, HSBC e Bank of Nova Scotia (ScotiaBank) de bloquearem a negociação do preço da prata através de reuniões diárias secretas que ficaram conhecidas como Silver Fix.

A concertação entre estas entidades financeiras começou em 1999, tendo levado a uma supressão dos preços da prata e de instrumentos financeiros baseados neste metal precioso em torno dos 30 mil milhões de euros. A conspiração terá permitido dobrar os ganhos dos bancos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Mexia, presidente executivo da EDP. Fotografia: REUTERS/Pedro Nunes

Chineses da EDP não abdicam de desblindar estatutos. OPA quase morta

O dia, segunda-feira de Páscoa, prejudicou a concentração dos ex-operários junto à casa-mãe, a Miralago. Fotografia: Tony Dias/Global Imagens

Ex-operários tentam evitar saída de máquinas da Órbita

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP), José Abrãao, numa manifestação. Fotografia: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

FESAP. Inspetores do Estado podem ficar 10 anos sem progredir nas carreira

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Deutsche Bank chega a acordo para multa sobre manipulação do preço da prata