banca

Deutsche Bank Portugal será abrangido pelo acordo coletivo da banca

REUTERS/Kai Pfaffenbach/Files
REUTERS/Kai Pfaffenbach/Files

Trabalhadores passarão a ter acesso aos Serviços de Assistência Médica e Social (SAMS).

Os trabalhadores do Deutsche Bank a integrar pela ABANCA serão abrangidos pelo acordo coletivo de trabalho do setor bancário e terão acesso aos Serviços de Assistência Médica e Social (SAMS), divulgaram sindicatos da banca, esta segunda-feira.

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB), o Sindicato dos Bancários do Norte (SBN) e o Sindicato Independente da Banca (SIB) reuniram-se na sexta-feira com a ABANCA para discutir o processo de integração do Deutsche Bank Portugal.

De acordo com um comunicado dos três sindicatos, a instituição bancária de origem espanhola “pretende uma plena integração de todos os trabalhadores no projeto que desenvolve em Portugal, apostando na estabilidade laboral”.

A ABANCA manifestou intenção de conjugar os direitos e benefícios em vigor nas duas instituições, “de forma a que os trabalhadores possam usufruir transversalmente das vantagens existentes em ambas”.

Na sequência da integração, os trabalhadores do Deutsche Bank serão abrangidos pelo acordo coletivo de trabalho do setor bancário, outorgado pela ABANCA, passando a ter acesso ao SAMS, cujas contribuições serão suportadas pelo banco.

Atualmente, a ABANCA tem 49 trabalhadores em Portugal e vai integrar 334 trabalhadores do Deutsche Bank, em resultado da aquisição da rede de particulares e banca privada dessa instituição, anunciada em 2018 e com efetivação final e integração marcadas para junho.

O Deutsche Bank manter-se-á em Portugal, com uma estrutura de 40 trabalhadores, vocacionada para a banca corporativa.

A ABANCA adquiriu o negócio português do Deutsche Bank em março 2018 e em novembro comprou a operação espanhola da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
light-1208275_1280

Bruxelas diz sim: Governo pode baixar IVA da luz de 23 para 6%

António Mexia, CEO da EDP. (Fotografia: Sara Matos / Global Imagens)

EDP anuncia venda ativos renováveis no valor de 800 milhões

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré Costa Cabral. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA / LUSA

Conselho das Finanças elogia Centeno pelo “controlo das despesas”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Deutsche Bank Portugal será abrangido pelo acordo coletivo da banca