Alemanha

Deutsche Bank reage e recompra 4,7 mil milhões de dívida

Fotografia: REUTERS/Luke MacGregor
Fotografia: REUTERS/Luke MacGregor

Maior banco alemão vai comprar de volta 3 mil milhões em obrigações em euros e 1,7 mil milhões em dólares

O Deutsche Bank vai avançar com a recompra de dívida que tinha sido anunciada esta semana pela imprensa internacional.

O maior banco alemão confirma, esta sexta-feira, que vai recomprar obrigações no valor de mais de 4,7 mil milhões de euros, numa tentativa de demonstrar solidez financeira para acabar de vez com os receios dos investidores.

“A posição de forte liquidez do banco permite-lhe recomprar estes títulos sem que haja qualquer alteração no seu plano de financiamento para 2016”, refere o Deutsche Bank, em comunicado, citado pela Reuters.

O banco vai comprar 3 mil milhões de euros em obrigações em euros e 2 mil milhões de dólares (à volta de 1,7 mil milhões de euros) em obrigações em dólares.

O Deutsche Bank espera, assim, afastar a desconfiança dos investidores, que, recentemente, manifestaram preocupação sobre a capacidade do banco para pagar os cupões das obrigações com maior risco, este ano e no próximo.

Isto depois de, no ano passado, o banco ter reportado prejuízos de 6,8 mil milhões de euros (os primeiros resultados anuais negativos desde 2008), penalizado, sobretudo, pelos custos de litigância, que ascenderam a 5,2 mil milhões de euros.

Neste cenário, o Deutsche Bank acumula, desde o início do ano, uma queda superior a 30% em Bolsa. Mas o anúncio feito esta sexta-feira já está a ter o efeito desejado: as ações do banco seguem agora a disparar mais de 9,6%.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, também já reagiu à notícia, dizendo que “o Deutsche Bank tem capital suficiente” e “é forte”.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ana Avoila, coordenadora da Frente Comum de Sindicatos da Função Pública. Fotografia: Orlando Almeida/Global Imagens

Precários do Estado com menos de três anos de serviço vão ter concurso próprio

Maria Helena Rodrigues, presidente do STE

Precários: “Não é claro” como ficam trabalhadores mais qualificados, diz STE

Mario Draghi, no Fórum BCE 2017. Fotografia: Banco Central Europeu

Draghi. “A Europa precisa de um sucesso como o MIT”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Deutsche Bank reage e recompra 4,7 mil milhões de dívida