Prémio Inovação NOS

Digital ameaça negócio da banca como o conhecemos

A carregar player...
Digital ameaça negócio da banca como o conhecemos

O futuro pode passar pela banca especializada e aumento da competição entre instituições. Fintech e criptomoedas já estão a pressionar setor

A banca portuguesa não está preparada para apoiar as ideias e os projetos inovadores que estão a surgir na economia digital, concordaram os intervenientes do debate sobre O poder da economia digital, uma iniciativa dos Prémios Inovação NOS/Dinheiro Vivo/ /TSF, que juntou três entendidos na matéria: Miguel Santo Amaro (CEO da Uniplaces), Sebastião Lancastre (CEO da Easypay) e João Vasconcelos (conselheiro da Clearwater International).

A razão pela qual não tem sido a banca a apoiar projetos e startups que têm surgido em Portugal é explicada pelo CEO da Uniplaces, um desses projetos de sucesso que está já em 39 cidades europeias: “Não existe um histórico de empresas tecnológicas portuguesas, com raríssimas exceções, os casos que existem são pouco divulgados. A banca tradicional acredita em modelos já provados, onde existe um histórico, onde se pode analisar para extrapolar casos futuros.”

Para Sebastião Lancastre, o problema só se resolve se em vez de bancos grandes houver bancos especializados, que trariam “competição e isso é a melhor coisa que existe. Os pequenos bancos que ainda temos foram os que deram lucro a sério. Porque se analisa muito bem antes de gastar cada euro”.

A perspetiva de futuro não é muito animadora para os bancos tradicionais, foi a opinião unânime dos oradores do debate emitido esta semana na TSF. “Há claramente uma ameaça ao negócio bancário como nós o conhecemos. Mesmo a banca de investimento é brutalmente conservadora”, defende o CEO da Easypay, instituição que permite várias opções de pagamento através de uma única plataforma.

A carregar player...
Digital ameaça negócio da banca como o conhecemos

Cerca de 90% do nosso dia-a-dia é feito a fazer pequenos pagamentos e transferências, para aqui e para acolá, e “é esse negócio que está ameaçado nos bancos. Brutalmente ameaçado”, defende ainda Sebastião Lancastre. “E no dia em que os bancos perderem o transacionável, vão ficar com o quê? Com o crédito à habitação e automóvel?”, questiona.

João Vasconcelos, ex-secretário de Estado da Indústria e ex-líder da Startup Lisboa, defende, por seu lado, que no futuro o que vai acontecer é que haverá “diversos serviços financeiros, mas não vai ser a banca a fazê-los. Se calhar vai ser uma empresa como a Amazon, por exemplo, que me vai fazer um crédito”.

“No dia que aparecer uma fintech que nos ofereça um serviço muito mais ágil e que nos permita, em poucos dias, resolver os assuntos, porque os documentos já estão todos digitalizados, aí a banca vai sentir”, conclui o CEO da Easypay.

Ainda esta semana, a secretária de Estado da Indústria, Ana Lehmann, afirmou querer que Portugal esteja na “linha da frente” na colaboração entre a banca e as fintech. O governo anunciou até a criação de um grupo de trabalho para as fintech, que começará a trabalhar na próxima semana. Ana Lehmann avisou, contudo, que “é preciso que a regulação acompanhe a dinâmica empreendedora”.

Sebastião Lancastre está convencido de que os bancos “não têm aceleração para conseguir dar o que os clientes querem”. Por exemplo, o tempo que demora uma transferência bancária. “Se tudo hoje é instantâneo, como é que um organismo, neste caso a SIBS, que trata das contas bancárias, precisa de uma diretiva comunitária que venha impor que passe a haver transferências instantâneas? Os bancos podiam já ter feito isso.”

E os clientes estão mais do que preparados para essas mudanças. Aí não há dúvidas. “Enquanto consumidores, desde que nos resolvam os nossos problemas, aderimos e experimentamos”, sublinha Sebastião Lancastre.

Sobre as moedas virtuais, as chamadas criptomoedas, João Vasconcelos não tem dúvidas: “Devíamos, neste momento, estar a aceitar criptomoedas para pagar impostos. Nem que seja por marketing do país, para dizer venham que este país é friendly da tecnologia, das empresas.”

“Aquelas que serão as melhores empresas do mundo daqui a dez anos estão neste momento a ser criadas. Gostava que fossem criadas aqui. São empresas que estão a crescer a 200% e a 300% ao ano. Não vêm negociar esta ou aquela isenção fiscal, não estão para isso”, defende o antigo secretário de Estado da Indústria.

Dando provas do seu perfil inovador, a Uniplaces prepara-se para entrar no mundo das moedas virtuais já no próximo ano. “Eu gostava de emitir [criptomoedas da Uniplaces] em 2018”, admitiu Miguel Santo Amaro.

“A Uniplaces está atenta, acima de tudo, à tecnologia que está por detrás dessas moedas, o blockchain, que permite criar um contrato financeiro, legal ou digital, sem quaisquer intermediários”, frisa o CEO da empresa tecnológica.

“Posso usar moeda Uniplaces para estudantes e senhorios. E vamos criá-la. Isso já se faz e nós queremos fazê-lo também: usar moedas da empresa para comprar aplicações nessa empresa”, sublinha Miguel Santo Amaro.

Haveria necessidade de legislação 4.0 em Portugal para facilitar a vida às startups que querem vingar no mercado nacional? “Vai haver”, responde, confiante, João Vasconcelos, explicando: “Esta é a primeira revolução de todas que podemos acompanhar. Não podemos ir atrás dos outros. No digital a nossa ambição devia ser sermos líderes.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Bitcoin

As sete critptomoedas que valem mais de dez mil milhões

Fotografia:  Fernando Pereira / Global Imagens

Como a dona da Conforama causou perdas milionárias aos maiores bancos do mundo

Angela Merkel

SPD aprova negociações com Merkel para formação de governo

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Digital ameaça negócio da banca como o conhecemos