CGD

Dois bancos espanhóis e fundo investimento na corrida à CGD de Espanha

Caixa Geral de Depósitos (Foto: Hernâni Pereira)
Caixa Geral de Depósitos (Foto: Hernâni Pereira)

Estão na corrida os bancos Abanca Corporación Bancaria, o Banco de Crédito Social Cooperativo e o fundo de investimento Cerberus European Investments.

O Governo selecionou dois bancos espanhóis e um fundo de investimento norte-americano para apresentarem propostas vinculativas para a compra do banco da CGD em Espanha, segundo a Resolução do Conselho de Ministros publicada esta sexta-feira em Diário da República.

Em causa estão os bancos espanhóis Abanca Corporación Bancaria (presente em Portugal com a marca Abanca, depois de ter comprado a operação do Deutsche Bank), o Banco de Crédito Social Cooperativo (constituído em 2014 por 32 caixas de aforro regionais, as chamadas’cajas’) e o fundo de investimento norte-americano Cerberus European Investments.

Quanto às entidades que manifestaram intenção de comprar o banco da CGD em Espanha, mas que não foram selecionadas, são a espanhola Caja Rural Castilla-La Mancha e os fundos Socrates Capital Holdings Limited e Weston Hill Asset Management.

O Governo justifica a não seleção da Caja Rural Castilla-La Mancha devido a considerar “em termos não satisfatórios “o preço indicativo oferecido, a não escolha da Socrates Capital Holdings Limited por “termos não satisfatórios do critério de ausência ou minimização de condicionantes que dificultem ou impeçam a concretização da venda direta” e, por fim, a não escolha da Weston Hill Asset Management quer por o preço não ser satisfatório quer por eventuais obstáculos que dificultam o negócio.

Contudo, apesar de não selecionadas, o Governo admite chamar alguma destas entidades à mesa das negociações “caso tal se afigure necessário para garantir a competitividade durante a segunda fase do processo ou para garantir o próprio sucesso da operação”.

Depois desta decisão do Governo, a CGD irá agora fazer às três entidades escolhidas convites para apresentarem “propostas vinculativas de aquisição das ações objeto da operação de venda direta da sociedade Banco Caixa Geral”.

A resolução hoje divulgada diz ainda que o Estado, através da CGD, convidou 68 investidores a apresentarem intenções de aquisição da operação do banco público em Espanha.

A redução da operação da CGD fora de Portugal, incluindo em Espanha, foi acordada em 2017 com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização do banco público.

A CGD detém em Espanha uma rede comercial de 110 balcões e mais de 500 trabalhadores.

A Caixa Geral de Depósitos teve lucros 68 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, o que compara com prejuízos de 38,6 milhões de euros do mesmo período de 2017, sendo que 30 milhões de euros vieram da atividade doméstica e 38 milhões de euros da atividade internacional.

Na passada terça-feira, 12 de junho, foram conhecidas as condições que o Governo definiu para a venda, segundo um diploma publicado em Diário da República, ficando a saber-se que será dada preferência a compradores que assegurem a continuidade do relacionamento com a comunidade portuguesa ou clientes com ligações especiais a Portugal.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: ANTÓNIO CARRAPATO/LUSA

Maior credor de Portugal:juros baixos são temporários em países com rating fraco

(Fotografia: Carlos Manuel Martins/ Global Imagens)

Funcionários do SEF, Fisco e Segurança Social detidos em megaoperação da PJ

Outros conteúdos GMG
Dois bancos espanhóis e fundo investimento na corrida à CGD de Espanha