BCE

Elisa Ferreira não avançou com candidatura ao Mecanismo de Supervisão

Elisa Ferreira, vice-governadora do Banco de Portugal
Elisa Ferreira, vice-governadora do Banco de Portugal

A vice-governadora do Banco de Portugal era apontada como uma das favoritas a suceder a Danièle Nouy. Mas não avançou com a candidatura.

Elisa Ferreira não avançou com a candidatura à presidência do Mecanismo Único de Supervisão. A vice-governadora do Banco de Portugal era apontada pela Bloomberg como uma das fortes candidatas à liderança da entidade que manda na supervisão dos bancos europeia. Mas, apesar do apoio demonstrado por alguns países, a antiga eurodeputada optou por não entrar na corrida à sucessão de Danièle Nouy, sabe o Dinheiro Vivo.

O prazo para oficializar as candidaturas terminou na passada sexta-feira. Além de Elisa Ferreira, a Bloomberg apontava Sharon Donnery, vice-governadora do Banco da Irlanda, como outro dos nomes fortes para a liderança do Mecanismo Único de Supervisão. A irlandesa Liderou o grupo de trabalho do BCE para lidar com o crédito malparado e já foi elogiada por Danièle Nouy. Já Elisa Ferreira reunia pontos fortes como o papel ativo que teve, enquanto eurodeputada, na reforma do setor bancário europeu.

Apesar de as fontes citadas pela Bloomberg indicarem que a preferência era ter uma mulher na liderança do Mecanismo Único de Supervisão para assegurar a diversidade de género, havia outros potenciais candidatos. Caso o cargo de quem fica a mandar na supervisão europeia vá para Itália, a agência aponta os nomes de Andrea Enria (antigo responsável da Autoridade Bancária), Ignazio Angeloni (que é o representante do BCE no Conselho do Mecanismo Único de Supervisão) e Fabio Panneta, que também integra o conselho da entidade que assegura a supervisão na Europa.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Samsung Fold

Samsung lança o smartphone dobrável Fold por 2 mil euros

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

O presidente dos CTT, Francisco de Lacerda, durante a apresentação dos resultados de 2018 da empresa, na sede dos CTT em Lisboa, 20 de fevereiro de 2019. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Lucros dos CTT recuam 28% para 19,6 milhões

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Elisa Ferreira não avançou com candidatura ao Mecanismo de Supervisão