crédito à habitação

Euribor negativa vai dar crédito para descontar nos juros da casa

PS vai viabilizar proposta apresentada há dois anos pelo Bloco de Esquerda, mas que apenas será sentida quando a Euribor voltar a terreno positivo.

Quem contraiu um crédito à habitação antes da crise e aproveitou os baixos spreads pode ter mais uma vantagem em breve. O PS prepara-se para viabilizar uma proposta apresentada há dois anos pelo Bloco de Esquerda que deverá obrigar os bancos a refletir, na íntegra, a Euribor negativa nos empréstimos à habitação.

Segundo o jornal Público desta quinta-feira, os socialistas vão criar uma espécie de crédito de juros, que será abatido quando a Euribor voltar a subir. Esta alteração vai aplicar-se a todos os contratos em vigor e será mais benéfica para os clientes que têm associada a Euribor a três e seis meses e spreads (margem do banco que é somada à Euribor) entre 0,25% e 030%. Atualmente, estes clientes não pagam juros e apenas estão a amortizar capital.

Isto é possível porque o PS introduziu uma alteração que garante aos clientes o desconto da Euribor negativa, mas esse impacto só será sentido quando este indexante do crédito à habitação voltar a terreno positivo nos prazos a três, seis e doze meses. Há três anos que as taxas interbancárias estão em terreno positivo, por causa da política do Banco Central Europeu.

Em Março de 2015, o Banco de Portugal assumiu que o valor negativo da Euribor teria de ser refletido na taxa de juro do contrato, mas depois acabou por aceitar a interpretação dos bancos, de que só há desconto até anular o spread. Ou seja, não podem ser aplicadas taxas negativas nos contratos de crédito à habitação.

 

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
José Vieira da Silva, ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social. Fotografia: Jorge Amaral/Global Imagens

Reformas. Governo quer normalizar pagamentos até ao final do ano

O primeiro-ministro, António Costa, discursa durante um encontro com empresários a trabalhar em Angola, em Luanda, Angola. O primeiro-ministro termina esta terça-feira, uma visita oficial de dois dias a Angola, durante a qual procurará retomar rapidamente os níveis anteriores a 2014 nas relações económicas e normalizar os contactos bilaterais político-diplomáticos. (JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA)

Costa: Portugal deseja mais empresas e investidores angolanos no país

Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência. REUTERS/Yves Herman

Bruxelas suspeita de cartel alemão na tecnologia de emissões

Outros conteúdos GMG
Euribor negativa vai dar crédito para descontar nos juros da casa